AUTORES: Erissandro dos Santos Silva (PPGCNB/UFCG, quimikaa@gmail.com), Franklin Damião Xavier (PPGQ/UFPB, franklind19@gmail.com), Denise Domingos da Silva (CES/UFCG, dedomingos@gmail.com), Angela Maria Tribuzy Magalhães Cordeiro (DTA/UFPB, atribuzycordeiro@gmail.com), Maristela Alves Alcantara (PPGCTA/UFPB, maristelalves@gmail.com), Ieda Maria Garcia dos Santos (CCEN/UFPB, ieda@quimica.ufpb.br), Marta Maria da Conceição (DTA/UFPB, martamaria8@yahoo.com)

RESUMO: O biodiesel é um tipo de biocombustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal. O biodiesel pode ser obtido a partir de vários tipos de matérias-primas, entre as quais pode-se destacar a gordura animal e vários óleos vegetais, como o dendê, a mamona, o girassol, o algodão e a soja, que a matéria prima mais utilizada para produção de biodiesel no Brasil. Uma das principais propriedades do biodiesel é a estabilidade oxidativa, a qual indica a sua qualidade. O processo oxidativo do biodiesel é um grande problema, pois afeta diretamente o funcionamento do motor, causando corrosão, entupimentos e reduzindo o tempo de vida útil. Uma das formas de retardar o processo oxidativo do biodiesel é a adição de antioxidantes, pois combatem a ação dos radicais livres que provocam a oxidação. Atualmente, a busca por antioxidantes naturais extraídos de plantas tem sido algo bastante promissor, pois além de terem em sua composição química um elevado índice de compostos fenólicos, são provenientes de fontes naturais. O nim pertence à família das meliáceas e cientificamente é conhecido como Azadirachta Indica A. Juss., tem origem indiana e pode ser aplicado no setor de cosméticos, na produção de madeira e como um repelente. Já o maracujá é originário da América tropical, a espécie Passiflora edulis é uma das plantas mais cultivadas na região do Curimataú paraibano.
O objetivo desse trabalho foi avaliar o teor de fenólicos totais e a atividade antioxidante, pelo método DPPH, de extratos de folhas de nim e maracujá em diferentes solventes visando posterior aplicação em
biodiesel.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 2, p. 1085

print