Autores: Mauricio Guimarães da Fonseca (Instituto Nacional de Tecnologia – INT, [email protected]), Monique Ribeiro de Jesus (Instituto Nacional de Tecnologia – INT, [email protected]), Eduardo Homem de Siqueira Cavalcanti (Instituto Nacional de Tecnologia – INT, [email protected]), Vania Mori (Instituto Nacional de Tecnologia – INT, [email protected]), Vera Lucia Dionizio Resende (Instituto Nacional de Tecnologia – INT, [email protected]), Renato de Oliveira Soares (Instituto Nacional de Tecnologia – INT, [email protected])

Resumo: A busca por novas fontes de energia alternativa levou ao desenvolvimento de fontes que usa a energia produzida pela natureza, eólica, por exemplo, assim como também desenvolveu compostos que são uma fonte de energia renovável, que podem vir a ser muito bem empregadas, como alternativa aos combustíveis fósseis Destaque deve ser dado ao biodiesel que é um combustível menos poluente e que pode vir a ser produzido a partir de oleaginosas, por exemplo, como a soja, permitindo o uso de seu óleo, como matéria prima de excelência, para a produção de um sucedâneo ao diesel fóssil. Outro ramo que tem sido desenvolvido é o de novos materiais que servem como tanques de distribuição e de veículos ciclo diesel, por exemplo, que vão desde materiais metálicos até o uso de plásticos, tais como polietileno. Baseado nesses fatores, estudos de corrosão tem sido realizados para verificar a compatibilidade destes materiais com os combustíveis em uso. O biodiesel de soja exibe uma natureza higroscópica, uma a tendência de absorver água, assim como a sofrer oxidação Como resultado são encontrados no biodiesel oxidado, vários tipos de compostos, tais como, ácidos graxos que a literatura reconhece como contribuinte no processo de corrosão de materiais. Baseado nesses fatores, diversas metodologias vem sendo desenvolvidas na tentativa de estudar o comportamento dos materiais de tanques de plantas, refinarias e distribuidoras, como aço carbono, em relação ao biodiesel de soja. O objetivo desse trabalho foi de verificar o quanto contaminantes inorgânicos paralelamente também afetam o biodiesel em relação á sua estabilidade oxidativa, assim como no processo de corrosão no material aço carbono.

Trabalho completo: 7° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia e Inovação de Biodiesel, p. 102