AUTORES: Amanda de Paula Alves (DEQ/UFRRJ, amandadepaula_3@hotmail.com), Geraldo Martins Rodrigues Filho (DEQ/UFRRJ, gmrflq2003@yahoo.com.br), Marisa Fernandes Mendes (DEQ/UFRRJ, marisamf@ufrrj.br)

RESUMO: O excedente de glicerol produzido nas últimas décadas, gerado como subproduto na produção de biodiesel, está associado a constantes pesquisas por fontes alternativas de energia e vem criando uma demanda na busca de diferentes metodologias para sua purificação, viabilizando assim o custo final do biodiesel. A glicerina bruta obtida como subproduto no processo de transesterificação é composta por álcool, água, sais inorgânicos, ácidos graxos livres, mono-, di, triglicerídeos, outras matérias orgânicas e resíduos em diferentes quantidades. É de extrema importância a purificação do glicerol, a fim de reduzir problemas ambientais devido ao seu acúmulo, e tornar o biodiesel mais rentável, uma vez que somente depois de purificada, a glicerina torna-se atraente para utilização no mercado industrial. Existem tecnologias atuais eficazes de purificação e refino do glicerol bruto. Porém, considera-se inviável essa aplicação às pequenas e médias produções devido às restrições de custos e alta demanda energética.
Dessa forma, é indispensável que novas rotas de purificação mais baratas e eficientes sejam desenvolvidas. A adsorção desponta como uma técnica promissora e muito favorável para a remoção dos contaminantes da glicerina, devido ao seu baixo custo, simplicidade de projeto e operação.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 2, p. 795

print