imprimir

AUTORES: Juliana Mônica da Costa, Marco Flôres Ferrão, Camila Corrêa, Marcelo Caetano Alexandre Marcelo, Carla Felippi Chiella Ruschel

RESUMO: A dependência de combustíveis fósseis, como o óleo diesel, para veículos e para a indústria, tem levado à procura de alternativas de energia para substituir, ou complementar, o esgotamento das fontes de petróleo. A demanda mundial por energia irá aumentar prospectivamente em torno de 50% até 2030, sendo que o biodiesel surge como uma opção para reduzir as emissões, bem como apoiar o setor de transportes, diminuindo a poluição ambiental. No Brasil, as matérias-primas mais utilizadas na produção de biodiesel são o óleo de soja, e a gordura bovina (sebo), com uma participação de 96,6% na produção de biodiesel, sendo que o sebo passou de 12,7% em 2010, para 19,8% em 2013 e 2014, e se manteve em 16,7% até junho de 2016, apresentando um aumento significativo neste setor. A qualidade do biodiesel está diretamente relacionada com a composição dos ácidos graxos de cada tipo de óleo, ou gordura utilizada na sua produção, influenciando diretamente em suas propriedades físico-químicas. Nesta perspectiva, é necessário desenvolver metodologias que possam identificar a fonte de matéria-prima utilizada na produção de biodiesel e, por conseguinte, nas suas misturas com óleo diesel mineral.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 2, p. 881