imprimir

AUTORES: Vitor Salles Guerrero (EEL-USP, vitor.sg@alunos.eel.usp.br), Neuana Fernando Neuana (EEL-USP, neuananeuana1988@gmail.com), Maria Lucia Caetano Pinto da Silva (EEL-USP, mlcaetano@dequi.eel.usp.br)

RESUMO: Uma das questões de âmbito mundial em destaque é a energética. Atualmente, há uma busca por combustíveis oriundos de fontes renováveis e menos prejudiciais ao meio ambiente que o petróleo, o carvão e o gás natural. Nesse contexto, os biocombustíveis, em especial o biodiesel, ganham importância no cenário nacional e mundial, visto que não apenas emitem menores números de gases prejudiciais ao ambiente durante seu processo de combustão, mas também são obtidos de fontes renováveis, além de serem biodegradáveis. Apesar de toda essa importância, o biodiesel, ao contrário dos combustíveis fósseis, não é tão inerte e sofre degradação devido a ações externas como luminosidade, temperatura e umidade, acarretando em mudanças nas propriedades do combustível, como viscosidade e índice de acidez. Portanto, um dos focos de pesquisa na área dos biocombustíveis envolve o estudo de aditivos antioxidantes, sejam sintéticos ou naturais, que retardam a degradação do biodiesel aumentando seu tempo de estocagem. Dentre os principais aditivos sintéticos, encontra-se o hidroxitolueno butilado (BHT), um composto orgânico lipossolúvel e com propriedades antioxidantes. Esse trabalho tem por finalidade estudar a ação antioxidante do BHT como aditivo em biodiesel de soja, estocado em vidro a 60 °C.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 2, p. 807