AUTORES: Fernando Nogueira Rocha (fernando_nr7@hotmail.com), Paulo Anselmo Ziani Suarez (psuarez@unb.br)

RESUMO: A ANP é o órgão responsável pela fiscalização dos combustíveis no Brasil, e, através do Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis (PMQC), divulga mensalmente os dados do monitoramento. A partir destes dados é possível observar (Figura 1) que a partir do início do programa, o índice de inconformidades apresentava um histórico de diminuição até 2005. Porém, após a implementação do biodiesel pela lei n° 11097 de janeiro de 2005, esse índice volta a subir, o que sugere que o biocombustível seja o responsável pelo aumento de amostras fora de especificação. Figura 1. Índice de não conformidade para amostras de diesel ao longo dos anos segundo dados do PMQC. As análises realizadas seguem as normas e métodos descritos na Resolução ANP n° 50 de 2013, sendo que as maiores não-conformidades apresentadas no diesel, podem ser visualizadas na Figura 2. Na Figura 2 é possível verificar que o Teor de Biodiesel é uma das principais adulterações encontradas na blenda diesel/biodiesel. A RANP n° 50 de 2013 adota o método da norma européia EN 14078 para a análise do teor de biodiesel no diesel. No entanto, desde a implementação do biodiesel na matriz energética brasileira, outros problemas tem surgido. Por exemplo, a formação de borras, seja de origem química ou biológica, em filtros das bombas de combustíveis dos postos aumentou a periodicidade de sua troca, que era feita a cada 30 dias e passou a ser necessário realizá-la a cada 15 dias. Uma hipótese para a maior incidência de problemas associados ao uso de biodiesel misturado ao diesel e a sua maior suscetibilidade à oxidação durante o armazenamento. Uma das consequências da menor estabilidade do biodiesel, decorrente da presença de insaturações na sua cadeia, é a formação de compostos oxigenados, principalmente contendo grupos carboxila, os quais podem estar relacionados com alterações físicoquímicas da blenda diesel/biodiesel após a mistura. O objetivo deste trabalho foi avaliar o envelhecimento de misturas de diesel e biodiesel.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 2, p. 1103

print