AUTORES: Tailor Machado Peruzzolo (CEPESQ/UFPR, peruzzolo86@gmail.com), Shirley Nakagaki (Laboratório de Bioinorgânica e Catálise, shirleyn@ufpr.br), Luiz Pereira Ramos (CEPESQ/UFPR, luiz.ramos@ufpr.br)

RESUMO: Investimentos na diversificação da matriz energética abrangem globalmente a busca por fontes preferencialmente renováveis e mais baratas, devido a aspectos econômicos e ambientais. Nesse contexto, o biodiesel sendo um combustível alternativo e renovável, surge como alternativa viável para contribuir e atender a demanda da energia mundial. Para tal, reações químicas catalíticas vêm sendo estudadas em distintas rotas de síntese, como forma de obtenção de bicombustíveis com altas taxas de conversão e minimização de custos. Nessa área a catálise heterogênea além de poder levar a obtenção de produtos com maior grau de pureza, facilidade de regeneração e reutilização do catalisador, oferece a possibilidade de maior versatilidade para adaptações em diferentes equipamentos ou sistemas reativos e assim contribuir ainda mais na otimização dos processos e, consequentemente, deixando-os mais eficientes. Nesse contexto, esse estudo apresenta os resultados iniciais referentes a preparação, caracterização e investigação do sólido Magnetita (Fe3O4) como uma possibilidade de catalisador de processos heterogêneos para reações de esterificação, uma vez que esse composto possui baixa solubilidade em álcoois e ácidos graxos e sua propriedade ácida pode levar a obtenção de ésteres de elevado grau de pureza em altas conversões. Além disso, a principal vantagem do emprego desse sólido como espécie catalítica é a sua propriedade magnética que possibilita sua total recuperação do meio de reação após cada uso somente pela aproximação de um campo magnético externo, permitindo o estudo e o desenvolvimento de processos mais enxutos, dispensando etapas adicionais como filtração e centrifugação e assim possibilitando uma real economia do processo e futuros estudos em escala.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 2, p. 1027

print