AUTORES: Vinícius Kothe (CEPESQ/UFPR, kothe.vinicius@gmail.com), Helton José Alves (UFPR – Palotina, helton.alves@ufpr.br), Luiz Pereira Ramos (CEPESQ/INCT/UFPR, luiz.ramos@ufpr.br)

RESUMO: O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de biodiesel. No ano de 2015, a produção brasileira foi de aproximadamente 3,6 bilhões de litros. A maior parte do biodiesel produzido no país é proveniente do óleo de soja (78,66 %), seguido de gordura bovina (14,17 %) e outros materiais graxos (4,85 %), sendo que as regiões centro-oeste e sul são responsáveis pela maioria desta produção. No Brasil, o biodiesel é produzido pela rota catalítica homogênea. No entanto, o uso de catalisadores bifuncionais vem sendo estudado uma vez que eles promovem simultaneamente a reação de esterificação e transesterificação, possibilitando o uso de matérias-primas de menor valor agregado. Processos catalíticos heterogêneos devem apresentar vantagens de cunho econômico e ambiental. Isso inclui a redução do número de etapas de purificação, a facilidade de recuperação da glicerina e do catalisador, a redução da geração de coprodutos e a possibilidade de reuso do catalisador por vários ciclos. Sólidos mesoporosos descobertos por volta dos anos 90 possuem atividade catalítica comprovada. As MCM-41 são peneiras moleculares termicamente estáveis e com elevada área superficial,  possibilitando a maior presença de sítios cataliticamente ativos. Desta forma, o principal objetivo deste trabalho foi sintetizar, caracterizar e testar a [CTA+]MCM-41 como catalisador na produção de ésteres metílicos utilizando óleo de soja comercial como fonte de triacilgliceróis.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 2, p. 1133

print