imprimir

AUTORES: Sidinéa Cordeiro de Freitas (Embrapa Agroindústria de Alimentos, sidinea.freitas@embrapa.br), Rosemar Antoniassi (Embrapa Agroindústria de Alimentos, rosemar.antoniassi@embrapa.br), Epaminondas Silva Simas (Embrapa Agroindústria de Alimentos, epaminondas.simas@embrapa.br), Allan Eduardo Wilhelm (Embrapa Agroindústria de Alimentos, allan.wilhelm@embrapa.br), Rafaela Pedrosa Dourado da Silva (UFRRJ,rafaelapedrosa@gmail.com), Adelia Ferreira Faria-Machado (Embrapa Agroindústria de Alimentos, adelia.fariamachado@embrapa.br), Bruno Galveas Laviola (Embrapa Agroenergia, bruno.laviola@embrapa.br)

RESUMO: O pinhão-manso (Jatropha curcas L.) é um arbusto que pertence à família das euforbiáceas. A planta é monóica, com flores masculinas e femininas na mesma inflorescência. O fruto contém óleo bastante utilizado na fabricação de sabão, indústria de cosméticos e com potencial para a produção de biocombustível. A domesticação dessa oleaginosa foi iniciada no Brasil no início da década de 80. A Embrapa selecionou acessos de pinhão manso no país e vindos do exterior e estabeleceu bancos de germoplasma (BAG) no Brasil. A caracterização desse material quanto à composição em ácidos graxos e a análise de minerais no óleo é relevante para a estabilidade e qualidade do biodiesel.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 1, p. 43.