AUTORES: Juliana Espada Lichston (DBEZ/UFRN, j.lichston@gmail.com), Fernanda Gondim Lambert Moreira (DBZ/UFRN, fernandaglmoreira@hotmail.com).

RESUMO: A crescente demanda por recursos energéticos impulsiona o desenvolvimento e aperfeiçoamento de fontes renováveis e de baixo impacto ambiental. Dentre eles, o biodiesel apresenta crescente potencial como alternativa aos combustíveis de origem fóssil, sendo tecnicamente, economicamente e ambientalmente viável, proporcionando geração de empregos e renda (Dermibas, 2009).

Visando o potencial da produção de biodiesel para o Brasil, principalmente os benefícios quanto a inclusão social e desenvolvimento regional, o governo lançou em 2004 o Programa Nacional de Uso e Produção de Biodiesel – PNPB, com o objetivo de integrar a agricultura familiar à oferta de biodiesel, e assim, gerando renda e uma melhor qualidade de vida para esses agricultores, fixando-os no campo. (Monteiro, 2007) Logo, a união da agricultura familiar com o cultivo de oleaginosas para a produção do biodiesel, faz com que a região semiárida se torne promissora para a produção desse tipo de cultura. Ao inserir o pequeno agricultor nordestino à cadeia de produção do biodiesel, a renda deste poderá aumentar, assim como a diversificação de cultivos (Monteiro, 2007). Objetiva-se com o presente trabalho reunir informações sobre o potencial da região Nordeste, em especial à região semiárida, para a produção de biodiesel, assim como o cultivo de oleaginosas promissoras, a fim de demonstrar que essa região apresenta grande potencial para a cadeia produtiva de biodiesel no Brasil.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 1, p. 71


print