AUTORES: Chaline Detonia (EQ/UFRJ, ch_detoni@yahoo.com.br), Sibele Berenice Castellã Pergher (UFRN, sibelepergher@gmail.com), Mariana de Mattos Vieira Mello de Souza (EQ/UFRJ, ch_detoni@yahoo.com.br), Donato Alexandre Gomes Aranda (EQ/UFRJ, donato@eq.ufrj.br)

RESUMO: O grande aumento no consumo de energia em décadas recentes e o aumento da conscientização ambiental tem tornado os combustíveis renováveis uma alternativa excepcionalmente interessante. Esforços têm sido feitos para o desenvolvimento de tecnologias visando à produção de combustíveis renováveis para garantir a segurança energética do planeta e a redução da poluição ambiental. Apesar de bem estabelecido como aditivo ao diesel mineral, o biodiesel apresenta alguns obstáculos, dentre eles pode-se destacar a formação de goma após longo tempo de estocagem, danos a algumas partes do motor e a elevada solubilidade da água no biodiesel. Logo, existe uma necessidade de desenvolvimento de um biocombustível completamente compatível com a tecnologia dos motores atuais a partir de matérias primas renováveis. Em reações de desoxigenação catalítica o principal produto da fase líquida é composta por hidrocarbonetos que apresentam em sua cadeia carbônica um carbono a menos que seu ácido graxo (ou triglicerídeo) de origem. Entretanto, apesar de compostos n-parafínicos serem ideais para mistura em diesel de petróleo, devido ao seu alto número de cetano e benefícios ambientais, parafinas lineares de cadeia longa apresentam pontos de fusão relativamente elevados, afetando negativamente as propriedades de fluxo do combustível. Uma solução seria a hidroisomerização dos compostos n-parafínicos produzidos em uma segunda reação. Neste sentido, um catalisador eficiente não apenas na desoxigenação de matérias primas vegetais, mas que produzisse um biocombustível com boas propriedades de fluxo em uma reação realizada em um único sistema reacional torna-se interessante dos pontos de vista econômico e ambiental. Catalisadores bifuncionais podem ser uma opção interessante, pois esses materiais possuem ambos os sítios ativos, os sítios metálicos capazes de promover a desoxigenação e os sítios ácidos capazes de isomerizar os n-alcanos produzidos. Catalisadores baseados em argilas têm sido usados em grande variedade de reações químicas por muitos anos. As argilas se apresentam como uma fonte interessante para o preparo de catalisadores devido principalmente aos baixos custos e elevadas seletividades. De acordo com o exposto, a argila ácida comercial K10 foi utilizada como suporte para o paládio visando à obtenção de catalisadores ativos e seletivos para as reações de desoxigenação de ácidos graxos para obtenção de hidrocarbonetos na faixa do diesel. As reações foram realizadas em sistema livre de solvente e foram avaliadas variáveis como tempo, temperatura e teor de paládio impregnado.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 2, p. 1095

print