09/05/2019 – “O RenovaBio é uma política de vanguarda para os biocombustíveis e o desenvolvimento sustentável brasileiro”, definiu o presidente da Ubrabio (União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene), Juan Diego Ferrés, nesta quarta-feira (08/05), durante a abertura do RenovaBio Itinerante etapa Anápolis-GO.

Promovido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustívels (ANP), o RenovaBio Itinerante é uma iniciativa que visita diferentes regiões brasileiras reunindo o setor para estimular a adesão ao processo de certificação eficiente de biocombustíveis e tirar dúvidas sobre os parâmetros da RenovaCalc, a calculadora de intensidade de carbono do programa.

Nesta semana, o evento chegou a Anápolis e contou com a presença de representantes do Ministério de Minas e Energia (MME), ANP, Caesb (companhia de saneamento do Distrito Federal), Universidade Federal de Goiás e empresas do Centro-Oeste, região que concentra a maior parte da produção de biodiesel no país.

Coordenador de Biocombustíveis do MME, Ricardo Gomide conta que quando o MME começou a desenhar uma política de certificação com geração de créditos de descarbonização, a equipe era chamada de “Califórnia Dreamer’s”, os sonhadores. “Hoje estamos vendo a política sair do papel e entrar na prática”.

RenovaBio

A Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio) tem como objetivos principais contribuir com o compromisso assumido pelo Brasil no Acordo do Clima de Paris, elevar a relação entre eficiência energética e redução de emissões na cadeia de combustíveis, dar maior previsibilidade para os biocombustíveis e expandir a produção e uso de combustíveis renováveis.

Danielle Conde, superintendente-adjunta da SBQ-ANP, destacou a importância de investir na produção nacional de biocombustíveis para garantir segurança energética.

Calcada no estabelecimento de metas de descarbonização com um intervalo inicial de dez anos, a política tem como um dos principais fundamentos garantir a segurança no abastecimento.

“Considerando que o Brasil é um grande importador de combustíveis fósseis, quanto maior a nossa produção e o nosso consumo de biocombustíveis, a gente acaba por ter uma segurança maior no abastecimento”, explicou Danielle.

A ANP é o órgão responsável por regular e fiscalizar a produção e, dentro da certificação de biocombustíveis, está incluído o credenciamento de firmas inspetoras que vão fazer a certificação, os procedimentos de concessão, renovação e cancelamento dos certificados de produção eficiente e da nota de eficiência energética. As regras estão definidas na Resolução ANP 758/2018.

O encontro contou ainda com palestras sobre tecnologia em combustão, certificação do RenovaBio e a RenovaCalc Micelle Scachetti, da Fundação Espaço Eco – fundada e mantida pela Basf, empresa associada à Ubrabio – explicou aos produtores o preenchimento e funcionamento da ferramenta. “Quando a gente fala em RenovaBio, está falando de intensidade de carbono e de preocupação com as mudanças climáticas”.

Visita à unidade de produção de biodiesel

Após as apresentações, os participantes puderam visitar a unidade de produção de biodiesel da Granol, também na cidade goiana de Anápolis. Devidamente equipados com utensílios de segurança (capacete, botina e óculos), os participantes puderam percorrer as instalações da empresa que também é associada à Ubrabio e tirar dúvidas com os técnicos que acompanharam a visita.

O diretor superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski, chamou a atenção para os impactos negativos que o adiamento do aumento da mistura obrigatória de biodiesel provocam nesta cadeia. “Hoje tivemos uma demonstração muito representativa do que é o setor de biodiesel para o país”, ressaltou Tokarski.

Para o presidente da Ubrabio e diretor industrial da Granol, Juan Diego Ferrés, o biodiesel pode e deve continuar crescendo. Ele explicou ainda o efeito multiplicador que o biodiesel provoca na economia. Desde a aquisição de matérias-primas até o grande fluxo de caminhões que entram e saem com mercadorias, além de toda a mão de obra empregada na indústria que movimenta a economia da cidade e da região.

“Quando falamos do B11, estamos falando da diferença entre uma indústria parada e funcionando. Então é importante que os agentes do poder público possam ter este tipo de contato para compreender o impacto do adiamento do cronograma de aumento de mistura de biodiesel”, pontuou.

Veja as fotos aqui

Confira as apresentações:

Palestra RenovaBio – ANP  (Maria Auxiliadora Nobre e Danielle Conde)

RenovaBio e RenovaCalc – Fundação Espaço ECO (Michelle Scachetti)

Certificação do RenovaBio – Green domus (Felipe Bottini)

Tecnologia em combustão – Teccom (Marcos Marcondes)

print