imprimir

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) aumentou a sua exigência de mistura de biocombustíveis avançados em 15 por cento em 2019, enquanto manteve estável o requerimento para os biocombustíveis convencionais, como o etanol à base de milho, de acordo com documento da agência visto pela Reuters nesta quinta-feira.

O mandato inclui 4,92 bilhões de galões para biocombustíveis avançados, que podem ser feitos de plantas ou dejetos animais, um volume maior do que a proposta inicial de junho da EPA de 4,88 bilhões e superando os 4,29 bilhões estabelecidos em 2018, de acordo com o documento.

O requerimento para biocombustíveis convencionais, enquanto isso, permanece a 15 bilhões de galões em 2018, alinhado com a cifra de 2018.

A EPA deve anunciar os volumes obrigatórios de biocombustíveis, que são observados de perto pelas indústrias rivais de milho e petróleo, até sexta-feira.

Tal mudança pode beneficiar o Brasil, cujo etanol de cana é considerado avançado.

Fonte: Reuters