imprimir

AUTORES: Rúben Christian Barbosa (DEA/UFV, ruben.barbosa@ufv.br), Thiago Furtado de Oliveira (DEA/UFV, thiago.furtado.ufv@gmail.com), Marcio Arêdes Martins (DEA/UFV, aredes@ufv.br), Bruna Paolinelli Reis (DEF/UFV, brunapaolinelli@gmail.com), Luan Peroni Venancio (DEA/UFV, luan.venancio@ufv.br), Jeffesson de Mesquita Santos (DEA/UFV, jeffeson.mesquita26@gmail.com), Francisco de Assis Carvalho Pinto (DEA/UFV,facpinto@ufv.br)

RESUMO: As microalgas se destacam como alternativa para produção de biodiesel, já que apresentam perfil de ácidos graxos adequado. Seu teor de lipídios pode variar de 5 a 68% em massa seca conforme a espécie e as condições de cultivo (KHAN et al., 2009; GUIRY et al., 2016). Comparativamente a outras fontes oleaginosas, as microalgas apresentam vantagem em relação a produtividade por área e tempo de colheita, assim como podem ser cultivadas em terras não aráveis (MATA, MARTINS e CAETANO, 2010). O maior obstáculo no cultivo de microalgas em escala industrial é a grande diferença apresentada por estas em cultivos em escala laboratorial e em plantas piloto (BERNARD, MAIRET e CHACHUAT, 2015).

O acompanhamento do desenvolvimento e da saúde do cultivo é de extrema importância, já que o equilíbrio do meio de cultura pode alterar de forma significativa o teor de lipídios e biomassa produzidos por esses microrganismos (GUEDES et al. 2011; NALEWAJKO et al. 1997). Visualmente é possível determinar a fase de crescimento e maturação de cultivos e a formação de cenóbios e colônias, até mesmo quando estão na fase de senescência, que corresponde a morte das células e consequente redução no teor de biomassa e de lipídios (TRAINOR, CAIN e SHUBERT, 1976; TRAINOR e EGAN, 1990).

O presente trabalho objetivou utilizar os momentos de Hu com o uso de redes neurais artificias para caracterizar as imagens de células individuais de microalgas obtidas por microscopia.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 1, p. 121