A Agência Nacional do Petróleo (ANP) já identificou os três mil dos 38 mil postos de combustíveis do país que terão de vender o S50 (com menor teor de enxofre), a partir da virada de 2012.

Órgão regulador, Petrobras e Anfavea confirmam que o acordo pactuado em 2009 com o Ministério Público de São Paulo e o então ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, será cumprido no ano que vem. Ônibus e caminhões novos sairão das fábricas com motores adaptados ao combustível mais limpo.

A estatal vai garantir a oferta do S50 e a ANP, o abastecimento. “O compromisso é ter um posto com o S50 num raio de cem quilômetros em todo o país. Sindicatos de distribuidores e revendas já sabem disso. Nas cidades onde não houver voluntários, a ANP vai designar um revendedor”, diz Allan Kardec, diretor da ANP.

Hoje, só a frota de ônibus urbanos das maiores regiões metropolitanas e capitais rodam com o S50. Os caminhões usam o S500. No interior do país, predomina o S1800. Ano que vem, o diesel mais sujo será substituído pelo S500 nas metrópoles.

Em 2013, o S10 toma o lugar do S50, hoje o mais alto padrão europeu, o Euro5, confirma Paulo Roberto Costa, diretor de Abastecimento da Petrobras. A partir de 2014, o Brasil só terá o diesel S10, para os veículos fabricados a partir de 2012, e S500, para os que saíram das montadoras até 2011.

Flávia Oliveira

print