“Precisamos de um novo marco regulatório que estipule a adição obrigatória de 10% a 12% de Biodiesel ao diesel convencional”, afirmou o deputado e coordenador do Grupo de Trabalho de Energias Renováveis e Biocombustíveis, Mendes Thame (PSDB/SP), durante encontro promovido na manhã desta quarta-feira, 11/05, no Congresso Nacional, entre parlamentares e associados à Ubrabio – União Brasileira do Biodiesel.

Vários deputados prestigiaram o evento, como o dep. Arnaldo Faria de Sá, dep. Márcio Macedo e Dep. Nelson Marquezelli e Senadores, entre eles, Sen. Eduardo Azeredo, Sen. Cassildo Maldaner e Sen. Eduardo Suplicy. Também estiveram presentes autoridades do Executivo como Denilson Ferreira, Presidente da Câmara Setorial de Oleaginosas e Biodiesel do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 O café da manhã foi uma parceria da Frente Parlamentar Ambientalista com a União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio) e o Grupo de Trabalho de Energias Renováveis e Biocombustíveis.

Na ocasião, o presidente da Ubrabio, Juan Diego Ferrés, apresentou aos parlamentares o estudo “O Biodiesel e sua contribuição ao desenvolvimento brasileiro”, realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que mostra dados sobre os investimentos previstos para a área e aponta benefícios associados à utilização do Biodiesel.

O coordenador do Grupo de Trabalho de Energias Renováveis e Biocombustíveis, o deputado Mendes Thame avaliou o estudo como um documento importante para mostrar com clareza que o Brasil já está preparado para produzir mais Biodiesel. Segundo ele, o país tem condição de antecipar prazos.  “A meta era chegar a uma mistura de 20% de Biodiesel em 2020, mas nós podemos antecipar. Não precisamos ficar nos 5%”, acrescenta o parlamentar.

O trabalho mostra, por exemplo, números expressivos nas áreas de saúde, meio ambiente e economia. No que diz respeito à agricultura familiar, apenas em 2010, com o B5, foram contabilizadas 103 mil famílias incluídas no Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB). Se o país pudesse ampliar para o B10, seriam mais de 153 mil famílias de agricultores. 

“A capacidade atual é suficiente para alcançarmos o B10. Não há necessidade de novos investimentos para que o país adote o percentual de 10% de Biodiesel, pois estamos com o dobro da capacidade disponível requerida para o B5”, afirma o presidente da Ubrabio, Juan Diego Ferrés.

Segundo o presidente da Frente Parlamentar Ambientalista, Sarney Filho (PV/MA), o estudo apresenta dados concretos e é um avanço na área ambiental. “O nosso papel é descomplicar e incentivar o Programa do Biodiesel”, afirma o deputado.

Para Ernesto Del Vecchio, representante da Dedini (associada à Ubrabio), “este é mais um evento que a gente tem de participar, tem de marcar presença para fazer os nossos pleitos de maneira ordenada, como foi realizado hoje aqui, e eu acredito que terá um reflexo muito positivo rapidamente”. 

print