Com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento econômico e sustentável do estado do Rio, será instalada no município de Porto Real a Usina Olfar. Com investimentos na ordem de R$ 30 milhões, a usina de biodiesel vai consumir mil toneladas/mês de óleo de cozinha usado, contribuindo para o desenvolvimento econômico e sustentável do estado do Rio.

O novo parque industrial possui uma área de 13.569 metros quadrados e irá gerar cerca de 50 empregos diretos e centenas de indiretos, através do estímulo da cadeia de compra do óleo de cozinha usado, hoje um grande poluidor do meio ambiente.

De acordo com o presidente da Olfar, José Carlos Weschenfelder, a meta da usina é, em um ano, dobrar a quantidade de óleo de cozinha usado em sua produção, devendo chegar a cinco mil toneladas/mês.

“A usina fomenta uma cadeia de reciclagem da porta para fora, gerando emprego, renda, e preservando o meio ambiente”, afirmou Marcelo Mendes, diretor do Metalsul.

“Além de preservar os corpos hídricos, o consumo de biodiesel favorece a diminuição da poluição atmosférica, com a menor emissão de gases do efeito estufa”, lembrou o diretor Péricles de Aguiar.

No início da semana os diretores do Sindicato das Indústrias Metalmecânicas do Sul Fluminense (Metalsul) participaram da entrega da Licença de Instalação para a pré-operação da Usina.

O evento contou com a presença do secretário estadual do Ambiente, André Corrêa. Ele destacou a importância do potencial de produção de biodiesel da usina para a proteção do meio ambiente e qualidade de vida da população local.

“Através desse empreendimento nós vamos repensar a cadeia produtiva do óleo de cozinha, que é altamente impactante ao meio ambiente. Ter uma usina com potencial de compra de óleo saturado de pequenas empresas, cooperativas, é o desafio que mais me anima”, disse o secretário.

Ao receber a Licença de Instalação o presidente da Usina Olfar reforçou o compromisso do empreendimento com a preservação ambiental e a questão social.

“Nós esperamos corresponder ao anseio de todos e ser um motivo de desenvolvimento da região e também de alegria para o povo de Porto real, no sentido de gerar empregos e bem-estar social. Essa questão do óleo recuperado é importantíssima para essa planta, assim como de outras matérias primas, como a gordura, o óleo de soja e outros óleos”, disse José Carlos.

Também estiveram presentes na cerimônia o deputado federal, Alexandre Serfiotis; o prefeito em exercício de Porto Real, José Roberto Pereira; o presidente da representação regional da Firjan, Edvaldo de Carvalho; a secretaria municipal de Meio Ambiente; Lorena Balieiro, e o superintendente Regional do Médio Paraíba do Sul do Inea, Edimar Pascoal Xavier.


print