imprimir

PARIS – Presidente da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel (FrenteBio), o deputado federal Evandro Gussi (PV-SP) está participando da 21ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21), em Paris. Segundo o parlamentar, a proposta brasileira tem sido elogiada dado o seu caráter concreto, como no caso do biodiesel.

Em entrevista à Ubrabio, Evandro Gussi conta que estão ocorrendo três eventos interessantes paralelamente. Um deles são os Diálogos sobre a COP21, na Embaixada do Brasil, que tem reunido autoridades e intelectuais. Em duas oportunidades, o presidente da FrenteBio pôde manifestar as vantagens do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB), como resposta concreta à redução das emissões de gases de efeito estufa, aliada a ganhos econômicos para a agricultura e inclusão social via agricultura familiar.

“Sinceramente, muitas autoridades brasileiras que não conheciam bem o programa estão surpresas com o seu potencial”, relatou Gussi.

O parlamentar também destacou a reunião do GLOBE, instituição que busca reunir parlamentares com o objetivo de implementação das medidas propostas na conferência, que reúne 67 países na Assembleia Nacional Francesa e uma reunião parlamentar bilateral com membros do Parlamento Europeu prevista para a próxima quinta-feira (10).

“Tem sido bastante intenso e produtivo, especialmente por uma sensação de que, para além da efetivação de um acordo multilateral, ficará o compromisso de os países adotarem medidas apresentadas internamente”, resume.

Clique aqui para ler o discurso em inglês.

Confira abaixo a entrevista concedida à Ubrabio:

UBRABIO – Como tem sido a recepção à proposta brasileira para redução das emissões de gases de efeito estufa?

EVANDRO GUSSI – O Brasil tem sido muito citado mesmo em eventos em que não há autoridades brasileiras na mesa de discussão ou lugares em que o Brasil não é o tema, dado que, hoje, é reconhecido o nosso grande potencial de contribuição, sobretudo, para uma matriz energética diversificada e extremamente baseada em fontes renováveis.

UBRABIO – O que tem dado destaque para a iNDC brasileira?

E.G – Uma coisa importante é que o Brasil apresentou uma proposta muito concreta. A iNDC brasileira foi bastante objetiva trazendo inclusive uma proposta de aumento de biodiesel sobre o diesel fóssil. Isso tem sido muito elogiado por aqui, o fato de o Brasil ter colocado metas palpáveis e não simplesmente intenções mais vagas, mais abertas.

UBRABIO – Qual é a percepção que se tem em torno do aumento da produção e consumo de biocombustíveis, em especial, do biodiesel?

E.G. – Um ponto relevante, na minha opinião, é que parece que há hoje uma percepção ampla de que a produção de biocombustíveis, no caso especial do biodiesel, no Brasil, não apresenta nenhum risco para a segurança alimentar. Esse era um entrave nas discussões ambientais, porque se afirmava que a produção de biocombustíveis poderia concorrer com a produção de alimentos, e hoje se percebe que é o contrário. Dada a extensão territorial do Brasil, a qualidade da nossa terra, a exposição solar, e a água disponível, a produção de biodiesel no Brasil colabora com a produção de alimentos, já que o óleo extraído para a produção do combustível é um subproduto da extração de farelo protéico.

UBRABIO – Ao longo de suas participações em diálogos e apresentações sobre o PNPB na COP21, como tem sido a recepção?

E.G – O governo brasileiro tem promovido aqui na embaixada do Brasil alguns diálogos sobre a COP21, trazendo especialistas, inclusive do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês) e isso tem sido bastante produtivo. Em duas oportunidades em que isso aconteceu, eu pedi a palavra e coloquei o tema do biodiesel, colocando que o Brasil, ao lado de medidas que começam com não (no sentido de não desmatar, não gerar mais emissões, e assim por diante) apresentou propostas positivas, ou seja, aumentar a participação das fontes renováveis na sua matriz energética, especialmente com o biodiesel. Também consegui apresentar a um grupo de senadores franceses, e vamos fazer isso também com um grupo do Parlamento Europeu, a questão que tem sido muito bem aceita sobre a agregação de valor. O biodiesel agrega valor aos produtos agrícolas, inclui a agricultura familiar, além da grande contribuição para a redução das emissões de gases causadores de efeito estufa. Nós também estamos acompanhando um evento do GLOBE, uma organização que reúne parlamentares de todo o mundo, com mais de 67 países representados, e no contato que tenho tido com os representantes desses países é impressionante a reação que eles tem quando falamos sobre o PNPB. É claro que tem biodiesel aqui na Europa, mas quando mostramos nosso potencial, nossa capacidade produtiva e quanto ainda podemos crescer, sempre é algo que impressiona a todos.

UBRABIO – A Frente Parlamentar Mista do Biodiesel participou das conversas com o governo para incluir o biodiesel na iNDC. Como foi essa articulação?

E.G – Foi um trabalho conjunto. Eu quero elogiar a atuação da Ubrabio que contribuiu de maneira determinante para que isso acontecesse. Nós precisamos também reconhecer o importante trabalho da ministra Izabella Teixeira. A Frente Parlamentar esteve com a ministra [do Meio Ambiente] Izabella mostrando a importância de que este tema estivesse na iNDC brasileira e fomos acolhidos. Então é um daqueles casos em que quando as associações, a frente parlamentar, o ministério, o poder legislativo, o executivo e a iniciativa privada trabalham em conjunto as coisas tendem a acontecer e esse é um grande exemplo. E o Brasil tem sido muito elogiado por apresentar uma iNDC com pontos concretos, como o nosso ponto específico do aumento da mistura de biodiesel.

UBRABIO – O projeto de Lei aprovado em novembro no Senado, que será analisado agora pela Câmara dos Deputados, traçando um cronograma para o aumento da mistura de biodiesel no Brasil é uma forma de efetivar essa proposta que o país apresenta à COP21?

E.G – Ele é uma resposta tangível à proposta brasileira. Ou seja, o Brasil que apresenta uma proposta clara de redução de emissões a partir do aumento da mistura de biodiesel está fazendo sua lição de casa e é uma coisa que nós temos inclusive deixado claro aqui, que não é simplesmente uma proposta de marketing. É uma proposta efetiva, uma vez que o Brasil internamente está aprovando medidas, já aprovou no Senado e, o quanto antes, queremos aprovar na Câmara dos Deputados o projeto que eleva a mistura nos próximos doze meses de carência para 8% e depois em 1% ao ano até chegar a 10%.

UBRABIO – Pode-se dizer que a tendência é essa? Cada vez mais combustíveis renováveis?

E.G – Isso ninguém mais tem dúvida. É importante nós sabermos que o caminho dos biocombustíveis, em especial o do biodiesel, é um caminho sem volta. É um caminho que só pode ir para o crescimento, para o aumento da mistura, para pensarmos um futuro atendendo mercados estrangeiros, esse será o caminho do biodiesel.

Leia também:

Relatório atesta benefícios do aumento do uso de biodiesel

Ubrabio discute parametrização da contribuição dos biocombustíveis nas metas brasileiras para COP21

Senado aprova por unanimidade aumento da mistura de biodiesel no Brasil