Pinhão-manso é pauta para discussão de pesquisadores que estarão reunidos nos dias 19 e 20 de novembro, em Porto Seguro/BA, para V Reunião de Acompanhamento do Projeto BRJATROPHA “Pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) em pinhão manso (Jatropha curcas L.) para a produção de biodiesel”, financiado pela Agência Brasileira de Inovação (Finep/MCTI). Durante o evento, serão apresentados os resultados gerados nos seus cinco anos de duração, além de discutir desdobramentos futuros.

Entre as ações delineadas no projeto estavam a instalação de Banco Ativo de Germoplasma (BAG), a definição de sistemas de produção, o desenvolvimento de método de destoxificação da torta, o desenvolvimento de estudos de viabilidade e sustentabilidade na cadeia produtiva, incluindo estudos de impacto sócio-econômico-ambiental, balanço energético e ciclo de vida, explica o pesquisador da Embrapa Agroenergia e líder do BRJATROPHA, Bruno Laviola.

Os resultados dessas ações serão apresentados por 30 integrantes do projeto que fazem parte de Universidades (Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Federal do Tocantins (UFT), Universidade de Brasília (UnB), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Norte Fluminense (UENF)) e de unidades da Embrapa (Embrapa Agroenergia, Agropecuária Oeste, Cerrados, Clima Temperado, Meio Norte, Rondônia, Semiárido, Solos e Tecnologia de Alimentos).

A Embrapa começou a estudar o pinhão-manso (Jatropha Curcas L.) em 2008 e com a criação do BRJATROPHA, em 2010, as pesquisas se consolidaram. O projeto nasceu com objetivo de desenvolver ações de pesquisa, desenvolvimento e inovação para consolidar o pinhão-manso como uma das espécies mais promissoras para atender ao Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel – PNPB, que no dia 04 de dezembro completa 10 anos.


print