No dia 25 de fevereiro ocorre, em Tapera-RS, o segundo dia de campo para a agricultura familiar. Na oportunidade, os agricultores acompanharão os demonstrativos de campos experimentais de soja das empresas de tecnologia e da Embrapa. Os principais temas serão a caracterização e posicionamento de áreas de plantio; a apresentação de novas formas de cultivo; o manejo de pragas de difícil controle; e o manejo da adubação da cultura da soja.

O destaque deste ano será a participação da Embrapa Trigo que vai falar sobre o manejo de pragas e adubação na cultura da soja. Também serão apresentados, um protótipo de Tratamento de Semente Industrial e o projeto da futura Unidade de Beneficiamento de Sementes de uma parceira da Bianchini, com o intuito de demonstrar o padrão de qualidade dos novos serviços que em breve serão disponibilizados aos parceiros da agricultura familiar.

O evento deve contar com a presença dos Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de municípios envolvidos com os arranjos com a Bianchini, da Fetag-RSe de consultor do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Espera-se que 600 agricultores participem do dia de campo. A atividade é parte das ações da Usina produtora de biodiesel Bianchini, para o fortalecimento da agricultura familiar do Rio Grande do Sul, conforme critérios do Selo Combustível Social. A empresa obteve essa certificação do MDA em novembro de 2012.

A Bianchini é uma empresa nacional de comercialização e esmagamento de grãos, que atua em diversas regiões do Rio Grande do Sul. Com 54 anos de experiência, com um esmagamento médio anual de 1,5 milhões toneladas de soja e marcante presença na comercialização de grãos naquele estado, a Bianchini entrou também no mercado de biodiesel. A sua unidade industrial situada em Canoas-RS, possui uma capacidade anual de produzir 324 milhões de litros de biodiesel por ano, figurando-se entre as cinco maiores empresas brasileiras do setor.

“O segundo dia de campo voltado para a agricultura familiar é uma ação da empresa que tem o intuito de qualificar o agricultor e firmar cada vez mais a sua presença nesta importante cadeia produtiva” afirma o diretor executivo da empresa, Antin Bianchini. A empresa possui contratos com cooperativas da agricultura familiar e com agricultores individuais e, nesta safra, deve envolver direta a indiretamente (por meio das cooperativas), mais de 70.000 agricultores nesta cadeia produtiva.

O Selo Combustível Social integra as ações desenvolvidas pelo MDA para promover a inserção qualificada de agricultores familiares na cadeia de produção do biodiesel. A iniciativa compõe o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB), que foi criado pelo Governo Federal, em 2004, para implementar de forma sustentável a produção e o uso do biodiesel, com enfoque na inclusão social e no desenvolvimento regional, via geração de emprego e renda.


print