imprimir

Até aqui a presidente Dilma tem tido o apoio – e a paciência também – da maioria dos brasileiros para segurar os preços dos combustíveis, especialmente o diesel. Saliento o diesel porque seu consumo é quase todo nos transportes e na produção de um modo geral. Mas paciência acaba quando se vê um senador da República acusar erros grosseiros que vem acontecendo com a falta de coerência no governo.

O senador Blairo Maggi, em pronunciamento na tribuna do Senado, mostrou que segundo a Fundação de Pesquisas Econômicas, a FIPE, da Universidade de São Paulo, de 2008 a 2011, quando a mistura do biocombustível passou de pouco mais de 2% para os atuais 5% por litro de diesel, a produção biodiesel gerou R$ 12 bilhões ao PIB. No mesmo período, a atividade economizou R$ 11 bilhões e 500 milhões de reais na balança comercial em importações de diesel fóssil.

Disse o senador: “Então, não dá para entender porque com uma indústria jovem e pujante, que já investiu mais de R$ 4 bilhões de reais para se estruturar e criar quase 90 mil empregos, o governo insiste em importar diesel sem parar”, questionou Maggi ao emendar; ‘se a política econômica do governo parece sem rumo, eu não sei o que dizer da energética’.

No ano passado, a Petrobras importou quase 8 bilhões de litros de diesel, pagando por eles 6 bilhões e 600 milhões de dólares. Em 2013, só até julho, foram importados 5 bilhões e 600 milhões de litros, com desembolsos de 4 bilhões e 500 bilhões de dólares para pagar esse mar de óleo. “Nesse ritmo, o Brasil vai gastar quase 9 bilhões de dólares até dezembro importando diesel”, disse Blairo.

Para o parlamentar, se o governo aumentar a mistura de biodiesel no diesel de 5% para 7%, o país deixará de importar 460 milhões de litros, numa economia de US$ 376 milhões. Assim, o Brasil estará gerando mais 50 mil novos postos de trabalho e agregando R$ 13 bilhões e 500 milhões de reais no nosso Produto Interno Bruto.

“Mas será que ninguém vê isso no governo? E não me venham falar em risco de oferta de soja para abastecer o mercado de alimentos ou mesmo o de biodiesel porque as usinas estão com 60% de capacidade ociosa, prontas para produzir o suficiente para atender um mercado de até 10% de mistura”, desafiou.

Blairo Maggi ainda mostrou-se indignado pela Petrobras estar pagando lá fora o diesel que importa mais caro do que lhe custa o biodiesel aqui dentro. Não seria melhor subsidiar a produção do biodiesel pagando um preço melhor as 67 fábricas brasileiras que estão amargando prejuízos diretos nestes últimos 3 anos?

A importação de diesel está deficitária em 18% e a Petrobras poderia substituir parte dessa porcentagem usando o biodiesel que é um produto nacional e gera empregos aqui dentro. Mas não o faz. Por quê? Como disse o senador, isso é má administração. Com a gasolina acontece o mesmo, a conta está deficitária em 22% e o governo poderia substituir parte dessa gasolina pelo etanol.

A presidente deve ter seus motivos, mas não pode continuar empurrando essa conta aos produtores de biodiesel que já estão perdendo a paciência com isso e com razão.

Por Waldir Guerra* com colaboração de Rodrigo Prosdócimo Guerra