imprimir

O Brasil deverá ser ultrapassado por Argentina e EUA no ranking de maiores produtores mundias de biodiesel. Segundo um relatório da empresa Santiago & Sinclair, a Argentina deverá assumir a terceira colocação no ranking, com EUA em segundo e Brasil em quarto, a frente da França. A Alemanha deverá manter a liderança na produção de biodiesel, mas com uma margem menor.
Os EUA deverão ter o maior aumento de produção de biodiesel em 2011, saindo das 1,03 milhão de toneladas em 2010, para 2,5 milhões de toneladas em 2011. A expansão americana está intrinsecamente ligada ao forte subsídios oferecido aos produtores em 2011, mas que deve ser extinguido em 2012.
A produção argentina deve passar a brasileira pela primeira vez 2011, quando atingirá a produção 2,4 milhões de toneladas de biodiesel, aumento de 26,3% em relação a 2010. O país vizinho viu um grande aumento de suas exportações do biocombustível para países europeus, principalmente Itália e Espanha. A Argentina também deverá aprovar em 2012 a adoção do B10 no seu mercado (o país utiliza atualmente o B7).
No Brasil, e expectativa da empresa é que a produção de biodiesel em 2011 fique em 2,3 milhões de toneladas, aumento de 9,5% sobre 2010. A Santiago& Sinclair erra em seu relatório ao afirmar que o Brasil poderá adotar o B5 em 2012, quando o país já regulamentou a utilização do B5 desde janeiro de 2010.
Para a Alemanha, atual maior produtora de biodiesel, o quadro deverá ser de estagnação na produção em 2012. Em 2011 o país deverá produzir 2,73 milhões de toneladas de biodiesel, queda de 4,6% em relação a 2010. Se confirmado esse quadro de 2011, qualquer um dos quatro países, Alemanha, EUA, Argentina ou Brasil tem condição de assumir a liderança mundial na produção de biodiesel em 2012, já que a distância entre eles é no máximo de 430 mil toneladas.