imprimir

Com a homologação pelo governador André Puccinelli, publicada na edição desta quinta-feira do Diário Oficial, da concessão de incentivos fiscais, a Rio Pardo Bioenergia ultrapassa a última do procedimento burocrático para iniciar a implantação do seu complexo industrial em Sidrolândia onde vai esmagar, produzir óleo e biodiesel a partir da soja.

Neste mês a empresa já havia conseguida a licença ambiental do Imasul (Instituto Estadual de Meio Ambiente) e o aval do Conselho Deliberativo do FCO(Fundo Constitucional do Centro-Oeste) para obter um empréstimo no valor de R$ 18,1 milhões.

A reunião do CDI (Conselho de Desenvolvimento Industrial) que autorizou os incentivos fiscais foi realizada no último dia 14. Nesta fase da empresa se comprometeu investir R$ 20.617.392,00, com previsão de gerar 52 empregos diretos.

A prefeitura pagou R$ 400 mil pela área de 10 hectares na saída para Maracaju onde a indústria vai se instalar, além de abrir as vias de circulação interna.

Segundo o secretário Nilo Servo, a indústria deve estar funcionando em dois anos. Começará esmagando diariamente 200 toneladas de soja, com previsão de chegar a 1.200 toneladas. Para atingir este estágio, que inclui a produção de biodiesel, será preciso investir mais R$ 60 milhões.

Hoje toda a produção da cidade, em torno de 194 mil toneladas na safra 2010/2011, que não é exportada em grãos, é esmagada em indústrias de Campo Grande e Três Lagoas. Será o primeiro grande empreendimento industrial que chega a cidade depois de 10 anos depois da frustração dos projetos para vinda de três usinas de álcool, assim como a fábrica de leite em pó da Lactis Agroindústria.

vio Paes/Região News