Em vista da demanda por atualização de conhecimentos sobre sanidade de sementes e manejo de doenças da palma de óleo (dendezeiro), a Embrapa Amazônia Oriental promove na manhã de quinta-feira (22), em Belém (PA), um seminário (gratuito e aberto ao público) que reunirá dois renomados fitopatologistas como palestrantes, um brasileiro e outro inglês.

“Com o expressivo crescimento da área cultivada e a entrada volumosa de sementes vindas de outros países  produtores, passamos a enfrentar o risco de novos patógenos serem introduzidos e novas doenças se manifestarem nos cultivos paraenses, inclusive as ainda inexistentes no Brasil, comprometendo a exploração da cultura se não forem devidamente prevenidas e controladas”, informa o pesquisador Eudes de Arruda Carvalho, coordenador do seminário.

Estima-se que os cerca de 100 mil hectares plantados com palma de óleo (dendezeiro) no Pará podem chegar a 1 milhão dentro de dez a 15 anos. O Pará já é o maior produtor de dendê, concentrando cerca de 93% da área plantada no País e 95% da produção nacional.

“Nossa intenção com o evento é passar as informações mais recentes nos temas propostos, porque é extremamente importante a atualização contínua de pesquisadores, produtores de palma de óleo e demais atores da cadeia produtiva de óleo de palma em questões de prevenção e controle de doenças”, salienta o pesquisador.

O dendezeiro  é, entre as espécies oleaginosas, a de maior produtividade. No Pará, chega-se a 6 toneladas de óleo/ha/ano. O óleo do dendê, além de matéria-prima para produção de biodiesel, tem sido usado amplamente nas indústrias de alimentos, farmacêutica e química.

Palestrantes

Duas palestras estão programadas. O pesquisador brasileiro Mário Lúcio Vilela Resende, da Universidade Federal de Lavras (MG), falará sobre a indução de resistência nas plantas como estratégia de controle no sistema de Manejo Integrado de Pragas (MIP).

O pesquisador inglês Richard Cooper, da Universidade de Bath (Reino Unido) e ex-presidente da Sociedade Britânica de Fitopatologia (BSPP), vai expor dois casos  importantes na cultura da palma de óleo: a doença  Fusarium wilt e o fungo  Ganoderma, ambos ainda inexistentes no Brasil .

Serviço:

Seminário “Doenças da palma de óleo: indução de resistência e sanidade de sementes no contexto da expansão do cultivo da palma de óleo no Pará”.

Data: 22 de setembro

Horário e local:  de 8h30 a 12h, em Belém, no auditório da Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), na Travessa Dr. Moraes, 21.

Realização: Embrapa Amazônia Oriental, unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Em parceria com a Fundação de Apoio à Pesquisa e ao Desenvolvimento Agropecuário e Florestal da Amazônia (Funagri), Biopalma.Vale e Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará)

print