imprimir

AUTORES: Juliana Espada Lichston (LIMVE/UFRN, j.lichston@gmail.com), Émile Rocha de Lima (LIMVE/UFRN, mli.18@hotmail.com), Flávia Cunha de Morais (LIMVE/UFRN, flaviac.morais@outlook.com), Fernanda Gondim (LIMVE/UFRN, fernandaglmoreira@hotmail.com), Ana Isabel Amurim (LIMVE/UFRN, isabelamurim@hotmail.com), Tainah Porpino Costa (LIMVE/UFRN, tainah.porpino@hotmail.com), Dandara Castro (LIMVE/UFRN, dandscastro@gmail.com), Marta Costa (LAQOA/UFRN, martacostamc@hotmail.com)

RESUMO: Oleaginosas ideais para biocombustíveis devem produzir grande rendimento de óleo e demandar menores áreas agriculturáveis para seu cultivo. Neste ponto de vista, algumas matérias-primas, não convencionais, são mais adequadas do que a soja, o que as tornam boas alternativas para a produção de biodiesel no Brasil. Em 2016, até o mês de agosto, a soja representou mais de 77% de participação na produção de matérias primas para biodiesel no país (ANP, 2016). Embora esse destaque ocorra, problemas como irregularidade das chuvas e das temperaturas, comuns no Brasil, podem impactar suas lavouras, sendo responsáveis por baixos rendimentos abalando diretamente a economia (EMBRAPA, 2016). Dentre as regiões brasileiras, o Nordeste contribui com apenas 8,0% da produção nacional de biodiesel (MME, 2016). Devido às condições meteorológicas extremas do semiárido nordestino, solos salinos, baixas precipitações e altas temperaturas, desfavoráveis para a maioria das oleaginosas convencionais, como a soja. Portanto, é necessário usar culturas alternativas que se desenvolvam bem e sejam tolerantes e/ou adaptadas à região. Além disso, o potencial biológico aliado à extensa mão-de-obra existente, tornam o Nordeste uma região de grande potencial para produção de biodiesel e fortalecimento da cadeia energética nacional. O cártamo (Carthamus tinctorius L.), Figura 1, é uma das culturas oleaginosas adequadas para a produção de biodiesel capaz de desbravar o semiárido do Nordeste, mesmo com suas características climáticas diferenciadas. É uma planta anual, pertencente à família das asteráceas, utilizada de várias formas ao longo da história, para fins medicinais, flor de corte, ração animal, entre outros, e agora cotada para produção de biodiesel.

Trabalho Apresentado no 6° Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel e 9º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel.

Trabalho completo: Livro 1, p. 323