03/07/2019 – Um espectro de cores do azul ao vermelho mostrando as mudanças nas temperaturas ao redor do mundo viralizou e virou até gravata e caneca entre pessoas quem querem chamar atenção para a questão ambiental.

A iniciativa faz parte do projeto #ShowYourStripes (mostre suas listras), no qual, por meio de uma plataforma interativa, o usuário pode criar a imagem que mostras as temperaturas do mundo ou de apenas um país – um pouco mais para baixo, você vê o gráfico referente às temperaturas no Brasil. As imagens geradas mostram mudanças na temperatura de 1850 a 2018, na qual os tons azuis representam períodos mais frios, e os vermelhos, os mais quentes.

A iniciativa foi adotada por meteorologistas, cientistas e ativistas pelo mundo. Os participantes imprimiram o gráfico em peças de roupas, como gravatas e lenços. Outros, mais engajados, chegaram a pintar um Tesla inteiro com o padrão de cores.

“Esse projeto foi criado para tentar remover todas as informações complexas que os cientistas tendem a adorar e torná-las as mais simples possível”, diz Ed Hawkins, cientista climático da Universidade de Reading, no Reino Unido, e responsável pelo projeto, à Vice. “O objetivo é que qualquer pessoa possa entender instantaneamente o que estava acontecendo.”

A mudança na temperatura é nítida. Na maioria das regiões, o gráfico vai dos tons mais claros de azul até o mais escuro de vermelho. No entanto, países do Oriente Médio mostram um aumento recente mais intenso se comparados com a América do Sul, por exemplo.

O projeto foi feito ano passado, mas neste ano ganhou a possibilidade de selecionar países e em alguns casos até cidades. Segundo Ed Hawkins, o gráfico já foi baixado por milhares de pessoas. “A melhor parte é ver todas as formas criativas pelas quais as pessoas usam esses gráficos”, afirma. “O que isso faz é permitir que as pessoas iniciem conversas sobre mudança climática, que elas não teriam de outra forma.”

GRÁFICO DA MUDANÇA DE TEMPERATURA NO BRASIL DE 1901 A 2018

 

GRÁFICO DA MUDANÇA DE TEMPERATURA NO MUNDO DE 1850 A 2018

Fonte: Época Negócios

print