E se a poluição afetar mais do que a sua saúde? Alguns estudos estão encontrando relação entre os níveis de poluição e os de felicidade. Uma pesquisa, realizada na Alemanha, encontrou relação entre os indicadores ao medir efeitos da instalação de um sistema de redução de emissões em grandes usinas de energia alimentadas a carvão.

Foram acompanhados índices de bem-estar e felicidade de 30 mil cidadãos de regiões próximas a essas usinas e que sofriam impactos dos poluentes. Os resultados mostram que, a partir da redução das emissões, os cidadãos que viviam na direção do vento, que eram os mais atingidos pela poluição, tiveram melhoras significativas nos níveis de felicidade. Aqueles que viviam em regiões contra o vento não foram beneficiados – o que sugere que, no primeiro grupo, a melhora na felicidade se deveu à melhora na qualidade do ar.

Outra pesquisa, essa realizada na China e publicada na Nature Human Behaviour, analisou os efeitos a partir de postagens de cidadãos na plataforma Sina Weibo – uma espécie de Twitter do país. Foram analisados os sentimentos expressos nas mensagens, a localização de onde elas vinham e os índices diários de qualidade do ar nesses locais. Ao relacionar os dados de 144 cidades, os pesquisadores concluíram que a percepção de felicidade dos usuários era significativamente menor em dias com maiores níveis de poluição.

Apesar de evidências como essas evidenciarem essa relação, ainda são necessárias mais pesquisas para identificar por que ela é causada. Entre as possíveis razões, segundo um artigo do Fórum Econômico Mundial, estão efeitos como a neblina, o cheiro e até o gosto gerados pela poluição. Há ainda os efeitos da ansiedade sobre a própria saúde ou a saúde dos outros diante da exposição a ela.

As pesquisas indicam outro impacto além dos já tradicionais da poluição. De acordo com dados da OMS, por exemplo, a poluição foi responsável pela morte de 633 crianças no Brasil em um ano – em todo o mundo, o número de crianças vítimas do problema chega a 543 mil. A poluição do ar ainda pode ser responsável pelo desempenho de profissionais no trabalho.

Fonte: Época Negócios

print