A instabilidade e crise econômica reduziram o consumo interno no Brasil, o que tem impactos no consumo de combustíveis, especialmente o diesel e o biodiesel mandatório. Mas, apesar dessa retração, alguns intermediários têm tirado vantagens com a importação de diesel fóssil. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a participação da Petrobras nas importações de diesel pelo Brasil caiu de 83,6% em 2015, para 15,8% em 2016.

Nesta edição da série Ubrabio Comenta, o diretor superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski, explica o cenário contraditório no país: redução no consumo de combustíveis, redução na produção de diesel e estabilidade na de biodiesel, aumento da importação de diesel, com menor participação da Petrobras tanto na produção quanto na importação do diesel, ao passo que outras empresas estão ampliando sua cota. “Nesse processo, a Petrobras perde oportunidade de negócios. Ora, ela não ganha nada com os outros importadores de diesel, mas poderia estar lucrando com a ampliação da produção nacional de biodiesel, já que a estatal tem um ganho em cada litro de biodiesel comercializado no país”, aponta. Confira no vídeo.


print