Dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostram que as importações de óleo diesel continuam subindo. No acumulado de janeiro a abril de 2017, o volume importado alcançou 3,6 bilhões de litros, montante 72% maior do que o observado no mesmo período de 2016.

US$ 1,5 bilhão – Esse foi o valor gasto com a importação de diesel fóssil nos primeiros quatro meses do ano. Enquanto isso, mais de 15 unidades de biodiesel estão totalmente paralisadas, pois, apesar de as importações estarem aumentando, o consumo interno de combustível está em queda, como consequência da desaceleração econômica. Diante disso, o setor de biodiesel amarga uma ociosidade média da ordem de 50% – patamar preocupante para qualquer setor industrial, mais impactante ainda para uma indústria instalada há cerca de uma década apenas.

Oportunidade – Atualmente, o País tem capacidade instalada autorizada a produzir 7,7 bilhões de litros de biodiesel. Cada litro do combustível renovável produzido no Brasil reduz a necessidade de um litro de diesel estrangeiro. Para reduzir a ociosidade, os produtores de biodiesel defendem o aumento da mistura obrigatória para B9, ainda este ano, e B10 até março de 2018, conforme já previsto pela Lei 13.263/2016.

Leia também

“Estamos garantindo o B10 para março do ano que vem”, afirma ministro

RenovaBio em discussão na Câmara dos Deputados


print