imprimir

Representantes da Ubrabio (União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene), do setor de aviação e pesquisadores em biocombustíveis foram recebidos nesta quarta-feira (7) pelo deputado federal Evandro Gussi (PV-SP), presidente da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel. O objetivo da reunião foi apresentar as contribuições que o desenvolvimento da cadeia de bioquerosene no Brasil pode oferecer para o cumprimento das metas de neutralização de emissões do setor.

No início de novembro, o Brasil participou da COP 22, que culminou com a Declaração de Marrakech, onde chefes de Estado e de delegações de todos os países envolvidos com o Acordo de Paris confirmaram o compromisso de redução das emissões de gases do efeito estufa como forma de conter o aquecimento global.

Paralelamente, o setor de aviação internacional – que representa cerca de 2% das emissões globais, com perspectivas de amplo crescimento até 2050 – firmou um acordo para neutralizar as emissões a partir de 2020. O documento, definido na 39ª Assembleia da Oaci (Organização de Aviação Civil Internacional) em Montréal, Canadá, estabelece que, a partir de 2021, empresas aéreas com voos partindo ou chegando dos países signatários reduzam ou compensem as emissões que ultrapassem os níveis de 2020.

Para o parlamentar, o bioquerosene, assim como o biodiesel, é um modelo de agenda em que os interesses empreendedores “são um céu de brigadeiro para o estabelecimento de pautas sociais e econômicas”, alinhadas também à questão ambiental. Gussi também apontou a necessidade de o país estabelecer um quadro institucional bem desenhado, que permita a inovação tecnológica.

Participaram da reunião o diretor de Biocombustíveis de Aviação da Ubrabio, Pedro Scorza; o diretor superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski; os pesquisadores Amanda Gondim (UFRN), Donato Aranda (UFRJ/Ubrabio), Marileide Lira (UFPE) e Nataly Albuquerque (UFPB); o gestor de Meio Ambiente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Amintas Eugênio de Souza Filho; o gerente de relações externas da Embraer, Daniel Bassani; e o coordenador sênior de pesquisa de biocombustíveis da Boeing, Onofre Andrade.

Durante o encontro também foi apresentada a proposta da Rede Brasileira de Pesquisa em Bioquerosene, em fase de estruturação, para fomentar pesquisas na área e absorver as demandas do setor produtivo.

Leia também:

Brasil precisa investir em bioquerosene para aviação, dizem especialistas

País deve investir em biocombustíveis de aviação para reduzir emissões