Começa hoje (7), em Marrakesh, Marrocos, a 22ª edição da Conferência das Nações Unidas (ONU) sobre mudanças climáticas (COP22) com a missão de tirar do papel o Acordo de Paris e limitar o aumento da temperatura do planeta em até 2ºC em relação aos níveis pré-industriais.

Em setembro, o Brasil ratificou o acordo e os objetivos da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) agora são lei, com a aprovação do texto pelo Congresso Nacional. No documento, o país se compromete a reduzir 37% nas emissões de CO2 até 2025 em relação aos níveis de 2005 e 43% até 2030. Outras metas brasileiras são aumentar a participação de bioenergia sustentável na matriz energética para aproximadamente 18%, bem como aumentar em 45% a participação de energias renováveis na composição da matriz energética até 2030.

Para debater o papel dos biocombustíveis no cumprimento das metas brasileiras, a Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas fará audiência pública nesta terça-feira (8), com a participação de pesquisadores e representantes do governo federal e do setor empresarial.

A reunião será realizada a partir das 14h30, no plenário 9, ala Alexandre Costa, e será interativa. Os cidadãos que acompanharem poderão participar enviando perguntas aos parlamentares e debatedores.

“É importante que a sociedade participe destas discussões sobre as contribuições que os renováveis podem oferecer, para que possamos definir que tipo de combustível nós queremos. Precisamos debater os riscos atrelados ao uso de combustíveis fósseis, porque tem impactos diretos na qualidade de vida das pessoas”, comenta o diretor superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski.

Participação

A audiência terá como representantes do governo federal Márcio Félix Carvalho Bezerra, secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, e Guy de Capdeville, chefe de Agroenergia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Também falando pelo setor público, comparecerá o deputado federal Evandro Gussi (PV-SP), presidente da Frente Parlamentar do Biodiesel.

Os representantes do setor empresarial serão Donizete Tokarski, diretor-superintendente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio); Elizabeth Farina, diretora-presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica); e Rodrigo C. A. Lima, diretor-geral da Agroicone, empresa de consultoria em agronegócio.

Participarão ainda do debate o professor Donato Aranda, da Escola de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e a pesquisadora Samya de Lara Pinheiro, da Rede Clima, entidade de pesquisas sobre mudanças climáticas.

Leia também

Biodiesel pode representar 3,3% da Matriz Energética Brasileira em 2030

Biodiesel, o melhor combustível do Brasil


print