imprimir

A degradação ambiental e a poluição fazem anualmente 234 vezes mais vítimas prematuras ao redor do mundo do que os conflitos armados, informou um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado nesta segunda-feira, dia 23.

Dados foram revelados em Nairóbi, no Quênia, em meio à II Assembleia Ambiental das Nações Unidas (Unea-2), que reúne mais de 2 mil representantes de 170 países. Ainda segundo o documento, em 2012, 12,6 milhões de mortes prematuras foram causadas pelas condições ambientais, uma cifra que representa 23% do total. Entre as fatalidades, mais de 7 milhões estão diretamente ligadas aos efeitos da poluição. Outras 842 mil pessoas faleceram por falta de água potável, sendo que 97% das vítimas moram em países em desenvolvimento. A exposição ao chumbo mata 654 mil e ao amianto 107 mil anualmente.

O diretor-executivo da Pnuma, Achim Steiner, explicou que “ao destruir a infraestrutura ecológica do nosso planeta e aumentando a poluição, ocorre um custo cada vez maior em termos de saúde humana e bem-estar”. “Com a poluição do ar, a exposição a substâncias químicas e até mesmo a extração dos nossos recursos naturais, temos comprometido nossos sistemas de suporte à vida”, acrescentou. Os desastres naturais fizeram desde 1995 ao menos 606 mil vítimas fatais e afetaram de alguma forma 4,1 bilhões de pessoas.