Diversas pesquisas com intuito de aprimorar os processos de produção de biocombustíveis são desenvolvidas por pesquisadores na Embrapa Agroenergia. Entre elas, está a modelagem computacional, que já é aplicada nesse centro de pesquisa em simulações, como por exemplo, mudanças nas condições de operação da obtenção do biodiesel por rota enzimática.

Sobre esta pesquisa, o trabalho “Modelagem matemática da produção de biodiesel por rota enzimática”, realizado em parceria com a Universidade de Brasília, foi apresentado pela engenheira de alimentos da Embrapa Agroenergia Priscila Sabaini, no 12º Simpósio Internacional em Engenharia de Sistemas de Processos e 25º Simpósio Europeu de Engenharia de Processos Auxiliada por Computadores. O evento aconteceu de 31/05 a 04/06, em Copenhagen, capital da Dinamarca.

“A modelagem entra como um auxílio na criação de uma nova tecnologia. Por meio dela é possível compreender todo o mecanismo existente, fornecendo subsídios para a realização de uma análise técnica com maior escala na produção do biocombustível”, afirmou Sabaini.

Priscila mostrou para os profissionais da área que existem diversas possibilidades para uso dessa ferramenta na síntese de biodiesel, que na Embrapa Agroenergia tem sido desenvolvida para a rota enzimática. “A proposta de rota enzimática é uma das frentes de pesquisa com esse biocombustível desenvolvida na Embrapa Agroenergia, uma alternativa à rota química, que é atualmente empregada nas usinas”, ressalta Sabaini.

O estudo apresentado será publicado na Revista Computer Aided Chemical Engineering, Volume 37, 2015. Para saber mais sobre o Simpósio, e quais foram os trabalhos apresentados durante o evento, acesse: http://www.pse2015escape25.dk/

O processo de modelagem

Um modelo computacional é criado a partir das reações e do mecanismo cinético. As reações são inseridas no programa na forma de equações matemáticas, e os parâmetros desse modelo são estimados de forma a reduzir a diferença da resposta simulada com os dados obtidos experimentalmente em laboratório. Dessa forma, ao final do processo é obtido um modelo matemático validado que consegue reproduzir a realidade.

“Temos equações por trás tentando descrever o que está acontecendo com um experimento real de laboratório, essa é a ideia da modelagem”, Priscila explica. “Você descreve por equações matemáticas os fenômenos físicos e químicos que acontecem na natureza, e as executa em um programa de computador, ajusta estas equações aos dados experimentais e observa os resultados na prática”, ressalta.

O trabalho foi realizado em conjunto com o professor da UnB Fabrício Machado e os pesquisadores da própria Unidade, Rossano Gambetta e Thaís Salum, com objetivo de aplicar o modelo desenvolvido em projetos envolvendo a produção de biodiesel por rota enzimática.


print