A região Centro-Oeste mantém-se como líder do ranking de produção, com quase 494 milhões de litros do biocombustível no acumulado do ano. Na sequência, aparecem as regiões Sul, com 381 milhões de litros, e Nordeste, com 134 milhões. Entre os estados, o Rio Grande do Sul respondeu por 29% do volume total produzido em 2013, seguido por Goiás (21%) e Mato Grosso (16%).
 
O crescimento da produção de biodiesel no Brasil segue a tendência de elevação do consumo de diesel B (mistura composta por 95% de diesel A com 5% de biodiesel). Nos primeiros meses do ano, o crescimento da demanda interna por diesel foi de 6,7% em relação a 2012.
 
Na fabricação de biodiesel, a matéria-prima óleo de soja ganhou participação em abril. No acumulado do ano (janeiro a abril de 2013), essa fonte respondeu por 71% de todo o biodiesel fornecido, um aumento de 2 pontos percentuais em relação aos dados anteriores (janeiro a março de 2013). O sebo bovino mantém-se na segunda posição, representando 20% da produção de biodiesel.
 
O valor pago pelo litro de biodiesel vem seguindo uma trajetória descendente. O valor médio do litro negociado no 31º Leilão de Biodiesel ANP, cujos volumes serão entregues entre os meses de julho e agosto de 2013, foi de R$ 1,94, uma queda de 22% em relação ao mesmo período do ano passado.
 
Os preços praticados no mercado de diesel mineral mantêm-se em tendência de alta ao longo de 2013. Na comparação com o ano anterior, os preços pagos às refinarias subiram cerca de 14%, sendo negociados à R$ 1,59/litro (diesel comum) e R$ 1,68/litro (diesel com baixo teor de enxofre, ou S-10). Os preços ao consumidor tiveram comportamento semelhante no período.
 
Por fim, os preços pagos pelo diesel importado, que já representa 22% de todo o consumo brasileiro desse derivado de petróleo, atingiram o patamar de R$ 1,66/litro em maio de 2013, valor que pode aumentar a depender dos impactos da desvalorização cambial sobre os preços do diesel importado.


print