Voltar para Notícia

Antin Bianchini – Diretor Executivo da Bianchini

A Bianchini assumiu responsabilidades dentro do programa do Selo Social, que implicam não somente as providências rotineiras, porque a empresa tentou trabalhar com um diferencial.

Por isso, já vem trabalhando no campo da assistência técnica e capacitação, com a realização de eventos. Já realizamos no final de fevereiro um Dia de Campo, em Tapera – e pretendemos repeti-lo no próximo ano, provavelmente na semana que antecede a Expodireto, porque a soja já estará no final de seu ciclo. E isso é muito importante para as demonstrações técnicas, para o conhecimento das melhores tecnologias, os melhores rendimentos e passar tudo isso para o agricultor.

Aqui em Canoas, na nossa usina, trouxemos o produtor para ele ter uma noção do que está sendo feito com o que ele vem produzindo no Interior. Nós entendemos que isso integra melhor o agricultor nesse programa. Ele passa a entender o porquê do zelo da empresa, os cuidados com a qualidade, o sentido que o programa engloba. Para que ele tenha conhecimentos e não seja apenas um mero produtor da matéria-prima.

Ana Carolina – Grandespe

Eu acho que é de grande valia para o conhecimento dos produtores, para eles saberem o que acontece com a soja, depois de sair da propriedade de cada um, como ela é processada, o beneficiamento e todo o processo. Acho muito interessante o produtor ter esse conhecimento e ver a real importância que ele tem nesse processo.

LeocirZortea – Articulador do projeto Polos no Rio Grande do Sul, atua na monitoria do Programa Nacional de Produção do Biodiesel no RS

Toda empresa de produção de biodiesel deveria ter uma responsabilidade de trazer o agricultor familiar para conhecer o processo de funcionamento dela e seus detalhes, desde o recebimento da soja até como funciona o programa, porque é um dos objetivos principais.

A agricultura familiar atua diretamente no Programa Nacional de Produção do Biodiesel. Esta é uma data muito importante, principalmente por dar oportunidade para o agricultor do estado lá do campo, que poucas vezes tem essa oportunidade de vir para cá e conhecer os processos.

Nestor Bonfanti – Tesoureiro da FETAG-RS

Queria parabenizar a Bianchini por essa iniciativa. É louvável, porque quando você integra quem produz a matéria-prima com a indústria, é a valorização das pessoas de campo. Acho que o Dia de Fábrica trouxe conhecimento para as pessoas que puderam entender os processos de como funciona, porque quem está de fora muitas vezes não imagina.

A gente percebe, valoriza, aumenta o conhecimento, mas principalmente acredito que aumenta a confiança entre produtor e a indústria. Isso é de suma importância porque muitas vezes o agricultor que produz a matéria-prima apenas sabe produzir, mas não é convidado para participar do processo.

E a Bianchini, hoje neste Dia de Fábrica, deu oportunidade para os agricultores, dirigentes sindicais, outras lideranças, e com isso aproxima ainda mais a empresa do agricultor familiar. Foi muito positivo e esperamos que dê para continuar daqui para frente com essa iniciativa.

Vitorio Masiero, 23 anos, possui um terreno de quatro hectares em Encantado

Eu gostei da logística, como entra o grão, como ele é moído, como é exportado, como é feito o óleo e outros derivados.

Na primeira palestra, falaram sobre a qualidade do grão, quando vai colher, uma máquina tem que estar bem preparada para a colheita de soja, um bom armazenamento para não sair perdendo.

Agora a gente tem alguém que ensine. Antes não tinha ninguém nos ensinando, mas agora tem um técnico nos apoiando.

Ernani Lagemann – possui um terreno de 60 hectares em Ibirubá

Isto foi fantástico. Poucas pessoas têm a oportunidade de conhecer uma empresa dessa magnitude. A gente vê onde vai parar o nosso produto. Hoje eu tive a oportunidade de ver onde vem parar o grão, o que é feito com ele.

Para o agricultor, ter essa chance de vir olhar uma empresa assim, é uma honra. Teve gente de Ibirubá que não pôde vir. E perderam uma grande oportunidade de conhecer a empresa, as pessoas e o trabalho.

Não tenho palavras para expressar o que a gente viu hoje. É uma empresa muito potente. A gente aqui já está apavorado, mas dizem que a fábrica de Rio Grande é maior ainda. Espero que um dia eu ainda tenha a honra de conhecer em Rio Grande também.

E espero que Deus nos ajude e venha uma boa safra pela frente.


print