imprimir

Informações do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) mostram que as aquisições de matérias-primas da agricultura familiar pelas empresas de biodiesel aumentaram de R$ 68,6 milhões em 2006 para R$ 1,058 bilhão em 2010. Em 2011 os números foram ainda maiores. Somente nos nove primeiros meses do ano foram registradas compras no valor de R$ 1,250 milhão, ritmo de crescimento que, segundo o MDA, deve continuar em 2012.

Os números foram divulgados em entrevista concedida pelo  coordenador-geral de Biocombustíveis do MDA, Marco Antônio Viana Leite, à TV NBR, exibida na última quarta-feira (01/02).

De acordo com o representante do ministério, o Brasil está numa caminhada crescente e tudo leva a acreditar que os números de 2012 sejam ainda maiores. “O governo trabalha em ações prioritárias e estratégicas e já no fim deste ano devemos ter uma produção de biodiesel equivalente a 2,9 bilhões de litros, sendo, possivelmente, o maior produtor mundial”, argumenta.

Para que se alcance esses índices, Leite informa que o Ministério tem dado atenção especial aos investimentos em tecnologia e assistência em organização produtiva junto às cooperativas afim de que aumente a produção das oleaginosas. Segundo ele, a meta é priorizar as regiões Centro-Oeste e Nordeste e trabalhar para que ao fim deste ano o programa resgistre 73 cooperativas de agricultores familiares participando, boa parte delas nestas regiões.

A União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio), como entidade representativa da cadeia de produção e comercialização do biodiesel, soma-se a estes esforços no intuito de fazer com que o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB) cresça cada vez mais. Por essa razão, trabalha para que seja definido um novo marco regulatório que viabilize o aumento da mistura do biodiesel ao diesel convencional. “O PNPB já rendeu muitos frutos e por isso mesmo precisa expandir”, defende o presidente do Conselho Superior da Ubrabio, Juan Diego Ferrés.

 A Ubrabio entende que, graças ao PNPB, o Brasil conseguiu benefícios como geração de emprego, avanços na sustentabilidade socioambiental e na inclusão social dos agricultores familiares. Beneficios estes que serão potencializados com o  B7 (7% do Biodiesel no diesel fóssil) e também com o B20 Metropolitano.

Clique aqui e assista a entrevista.

Por Comunicação Social Ubrabio

Com informações da TV NBR