imprimir

São Paulo – A União Brasileira do Biodiesel – Ubrabio – por meio do Diretor-Executivo, Sergio Beltrão, apresentou as perspectivas para além da mistura B5 e a necessidade de um novo marco regulatório que contemple esse avanço, durante o 7º Biodiesel Congress (27), que acontece em São Paulo.

Beltrão mostrou, baseado no estudo da Fundação Getúlio Vargas, os benefícios do uso do biodiesel entre 2005 e 2010, destacando a geração de empregos e a inclusão social de agricultores familiares, investimentos, impacto na balança comercial pela redução da importação de diesel fóssil e vantagens ambientais e para a saúde humana. Além desse balanço, apresentou projeções desses benefícios considerando a implantação gradual do B10 até 2014 e do B20 até 2020.

Outro ponto ressaltado foi a oportunidade de se implementar em regiões metropolitanas e de forma unificada com a Agenda já estabelecida pelo CONAMA de redução do enxofre no diesel, misturas superiores como o B30, a partir de 2013.

Beltrão enfatizou a necessidade de todos os elos da cadeia observarem as regras de manuseio do Biodiesel, editada pela ANP, e com as tendências mais restritivas da especificação que está sendo revista pela Agência para garantir a qualidade do produto, desde a produção até o consumidor final.

Participaram do mesmo painel o Coordenador-Geral do Departamento de Combustíveis Renováveis Ricardo Gomide e o Coordenador de Biocombustíveis do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Marco Antônio Leite.

Gomide afirmou que o Biodiesel pode ser importante para diminuir a importação de óleos e deu alguns exemplos: “ a produção da canola dobrou nos últimos dois anos e a mamona já está sendo exportada neste ano.”

Marco Antônio fez uma avaliação positiva do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel – PNPB e disse que alguns ajustes tem que ser feitos como revisão tributária e na Instrução Normativa que concede o Selo Social aos Produtores de Biodiesel. “Admitimos que o PNPB tem algumas falhas pontuais e elas estão sendo corrigidas. O Programa ainda tem muito o que crescer.”, completou o Coordenador do MDA.

Também participou do primeiro dia de apresentações o Diretor da Evonik Degussa Brasil, associada à Ubrabio, Johannes Ruwwe. Ele falou sobre as experiências e o panorama do mercado europeu de Biodiesel.

*O estudo da Fundação Getúlio Vargas mencionado na reportagem pode ser visualizado no menu Publicações/Projetos e Estudos. 

Por Assessoria de Comunicação Social

Ubrabio