A Embrapa em parceria com  o Instituto Agronômico de Campinas e  Embrapa Agroenergia, lança o projeto “Pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) em palmáceas para a produção de óleo e aproveitamento econômico de co-produtos e resíduos”, o “PROPALMA”. A primeira reunião aconteceu nos dias 12 e 13 de abril, em Brasília.

O Propalma visa promover o domínio tecnológico e a domesticação de palmáceas selecionadas pela densidade energética e distribuição territorial como matérias-primas para produção comercial de óleos. Além disso, busca resolver os gargalos tecnológicos para o aproveitamento econômico de co-produtos e resíduos, inserindo as regiões de ocorrência dessas palmáceas na geopolítica de produção de biocombustíveis (biodiesel, etanol e carvão vegetal), adubos e rações. “O projeto reforçará as pesquisas com o babaçu, o tucumã, o inajá e a macaúba”, diz o líder do Propalma e pesquisador da Embrapa Agroenergia, Alexandre Alonso.

As ações, que têm o apoio financeiro da Finep, serão desenvolvidas em todas as regiões do País, especialmente nos estados do Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Piauí, Maranhão, Pará, Amapá, Amazonas e Roraima.

Por Comunicação Social com Embrapa.

print