“Essa Resolução permite o uso de até 50% de querosene alternativo misturado ao querosene de aviação convencional. Isso é importante porque o bioquerosene é uma realidade global, como a própria atividade de aviação comercial. No Brasil, empresas como as associadas à Ubrabio, Amyris, Solazyme e Curcas já possuem projetos avançados para a produção de bioquerosene”, afirma Aranda.