10/02/2020 – Na última sexta-feira (07), representantes do Governo do Ceará, do Governo Federal e Governo da Alemanha estiveram reunidos para discutir a geração de combustíveis alternativos para aviação. Na ocasião foi apresentado o ProQR, programa do Governo Federal, por meio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), articulado com o governo alemão, que tem como objetivo desenvolver projetos de combustíveis alternativos sem impactos climáticos para a aviação. Como resultado, deve ser implantada no Ceará, em até três anos, a primeira planta piloto do mundo de produção de querosene sustentável para aviação.

O evento mobilizou pesquisadores e empresas, sendo organizado pela Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Fraport e GIZ, Agência de fomento e inovação da Alemanha. O encontro aconteceu no auditório da Companhia de Gás do Estado do Ceará (Cegás). A programação teve início com a apresentação do secretário-executivo de Comércio, Serviços e Inovação, da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), Júlio Cavalcante, e do Presidente da Cegás, Hugo Figueirêdo. Ambos falaram da importância do evento no contexto mundial e de que maneira o Ceará pode ser pioneiro na produção de combustíveis alternativos para a aviação.

O representante do Ministério, Rafael Menezes, explicou sobre o ProQR, desenvolvido em parceria com o governo da Alemanha, mencionando a importância da articulação entre governos, academia e iniciativa privada para o desenvolvimento de uma tecnologia disruptiva e de impacto neutro para o meio ambiente e para a sociedade brasileira.

O workshop tem o objetivo de desenvolver um arranjo institucional para implantar a primeira planta piloto de combustíveis alternativos para a aviação. A ideia dessa planta piloto é implantar uma rede de energia elétrica renovável (eólica ou solar) para produzir hidrogênio e para produzir o bioquerosene de aviação com as especificações que superem as exigências da regulação mundial. Com o arranjo institucional montado para a implantação do ProQR deve ser implantada no Ceará em até três anos, a primeira planta piloto do mundo de produção de querosene de aviação.

“A ideia é produzir a primeira planta de querosene sustentável de aviação. A importância é que há uma demanda global, pois a aviação tem que ter 1% de todo o querosene consumido de origem renovável. Hoje, ainda não existe nada assim no mundo. Portanto, seríamos os primeiros a produzir querosene de aviação, digamos que é um biodiesel para a aviação”, explica Júlio Cavalcante, da Sedet.

Estiveram presentes representantes da Universidade Federal do Ceará (UFC), Instituto Federal de Inovação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Superintendente Estadual do Meio Ambiente (Semace), BNDES, Agência de Fomento e Inovação da Alemanha (GIZ), Agência Nacional do Petróleo (ANP), Fraport, Agência Nacional da Aviação Civil (Anac), Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Sindienergia, Câmara Setorial de Energias Renováveis e da empresa de tecnologia Hytron.

Fonte: Governo do Estado do Ceará

print