Bioeconomia, mercados, assuntos regulatórios, tecnologias e pesquisas na temática de biomateriais e química verde estarão em debate durante o III Encontro de Pesquisa e Inovação – EnPI realizado pela Embrapa Agroenergia. O evento começa hoje (08/11) e vai até quinta-feira (10/11) com a presença de pesquisadores, estudantes, especialistas e empresas que atuam na área estarão presentes no auditório Assis Roberto de Bem (Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia) das 8h30 às 17h.

O evento será aberto pelo presidente da Embrapa, Maurício Lopes, que irá abordar o tema “Bioeconomia: uma visão de futuro”. “O mundo terá grandes desafios nas próximas décadas, ligados principalmente a questões como energia, água, meio ambiente, saúde e superação da pobreza, entre outros, e a bioeconomia será fundamental para superá-los. Hoje esse tema está muito presente na agenda da Empresa”, ressalta Lopes. Na primeira manhã do evento também serão apresentadas as pesquisas desenvolvidas pela Embrapa Agroenergia com biomateriais e química verde, que na parte da tarde estarão expostas em forma de pôsteres.

Na quarta-feira, especialistas do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, da empresa 14Bisness, da Universidade do Rio de Janeiro, da Universidade Estadual de Campinas, Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho, da empresa Boeing e da Embrapa Instrumentação Agropecuária estarão dando a linha dos debates nas áreas de mercado, assuntos regulatórios e tecnologia. Na quinta-feira, os estudantes e bolsistas da Embrapa Agroenergia irão defender seus trabalhos em apresentações orais. No final do evento, os melhores trabalhos das três categorias: graduandos, graduados e doutores irão receber premiação.

Bioeconomia

Existe uma tendência mundial de transição da economia baseada em fontes fósseis para uma baseada em fontes renováveis, salienta Guy de Capdeville, chefe geral da Embrapa Agroenergia. Boa parte dos países desenvolvidos tem planos definidos para a questão de bioeconomia, mas o Brasil não tem um plano especifico para este assunto. Nosso país assumiu compromissos no âmbito da COP, mas ainda não traçou planos especificos para alcança-los. O tema bioeconomia aparece dentro da estratégia nacional de ciência e tecnologia como uma prioridade.

Em 2015, de acordo divulgado no site da Abiquim, o Brasil exportou US$ 13,1 bilhões em produtos químicos. As importações de produtos químicos somaram US$ 39,6 bilhões. O déficit na balança comercial brasileira de produtos químicos registrados no mesmo ano foi de US$ 26,5 bilhões. “Isso reforça a importância da bioeconomia e de investimentos na pesquisa em química a partir de fontes renováveis para contribuir na redução desse déficit”, reforça o economista Gilmar Santos, pesquisador da Embrapa Agroenergia.

A ideia final do III EnPI é de proporcionar debates em PD&I nos temas da química verde e biomateriais no contexto de bioeconomia, além de premiar e divulgar trabalhos desenvolvidos na Embrapa e instituições parceiras. “Ou seja, queremos identificar novos temas de pesquisa, produzir um documento síntese e ainda divulgar e premiar os trabalhos desenvolvidos com de estudantes e bolsistas na Unidade”, concluiu Guy de Capdeville.

O evento conta com o apoio da Boeing, da Ubrabio e da FAP-DF. A relação completa dos trabalhos que serão expostos e a programação do Simpósio estão no site da Embrapa Agroenergia (https://www.embrapa.br/agroenergia/enpi2016).


print