Um grupo formado por 20 agricultores familiares e por uma cooperativa recebeu a primeira certificação em grupo da RSB (Roundtable on Sustainable Biomaterials) no Brasil. O projeto, localizado na região de Montes Claros, Minas Gerais, aplicou os Princípios e Critérios da RSB adaptados para certificação em grupo de pequenos produtores.

A certificação foi apoiada pela RSB, com o suporte do Programa Boeing de Cidadania Corporativa, em parceria com a Unidade de Beneficiamento de Coco Macaúba (UBCM), duas associações de agricultores familiares e a UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais.

O grupo de Montes Claros participou do Programa RSB de Pequenos Produtores, que tem como objetivo promover a melhoria das condições de vida dos agricultores familiares, incentivar práticas sustentáveis com base nos padrões RSB e desenvolver mercado para produtos certificados.

A certificação envolveu a coleta de frutos e a extração de óleo de macaúba, a partir de palmeiras que se desenvolvem naturalmente nas propriedades da região. A macaúba é uma espécie nativa das Américas, com ampla ocorrência no Brasil, e seus frutos são tradicionalmente coletados por comunidades rurais. Em razão de suas características, como alta produção de frutos por área, alto teor de óleo nos frutos (20-30%) e composição química de tais óleos, a macaúba tem sido estudada como uma matéria prima promissora para a indústria de óleos vegetais, incluindo cosméticos, biodiesel e bioquerosene.

“A partir do primeiro certificado para um grupo de pequenos produtores no Brasil, muito se aprendeu a respeito da abordagem da RSB para a agricultura familiar e sobre os desafios relacionados à sua inclusão. Foi possível também conhecer outras necessidades dos agricultores, paralelas às questões de sustentabilidade”, disse Rolf Hogan, Diretor Executivo da RSB.

“No início, pensamos que a certificação seria muito difícil de ser alcançada por nossacooperativa e que geraria demandas que poderiam atrapalhar as nossas operações”, comentou João Elias Fonseca, gerente da UBCM. “Mas depois vimos diversos benefícios como resultado da implementação do padrão RSB, como a regularização de documentos e registros da cooperativa, melhoria da gestão, melhor organização e controles de produção, aprimoramento das práticas de saúde e segurança do trabalho, e, principalmente, a garantia de estar fazendo a coisa correta, preservando o meio ambiente”.

O Prof. Teddy Farias, do Laboratório de Óleos da UFMG/Campus de Montes Claros ressaltou que “Do ponto de vista acadêmico, foi muito importante participar desse projeto de certificação, uma vez que foi aberto um novo caminho para a aplicação sistematizada dos conhecimentos produzidos na universidade, em uma situação real. Estudantes e professores tiveram a oportunidade de aprender e de contribuir na organização do grupo e no treinamento dos produtores. A experiência permitirá o desenvolvimento de novas pesquisas e atividades de extensão voltadas à macaúba e ao extrativismo na nossa região”.

A presente certificação foi possível com o auxílio do Programa Boeing de Cidadania Corporativa, o qual está apoiando a implementação dos padrões RSB por pequenos produtores no Brasil e na África do Sul.


print