imprimir

Antecipação do aumento da mistura de biodiesel e desenvolvimento da cadeia de biocombustíveis de aviação foram destaques no encontro

Representantes da Ubrabio (União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene), o presidente da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel, deputado Evandro Gussi (PV-SP) e o senador Cidinho Santos (PR-MT) apresentaram ao novo ministro de Minas e Energia (MME), Fernando Coelho Filho, as principais demandas do setor de biodiesel e bioquerosene, na última terça-feira (09).

Durante o encontro, os parlamentares abordaram a importância do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB) para a segurança energética do País e o diretor superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski, apresentou um panorama do setor. Hoje, o Brasil é deficitário de diesel e precisa importar o combustível fóssil.

A ampliação do uso de biodiesel ajuda a minimizar esse déficit. Todo o diesel comercializado no país conta com a mistura de 7% do biocombustível produzido a partir de óleos vegetais e gorduras animais que antes, na sua maior parte, eram descartadas pela indústria.

A previsão é que essa mistura chegue a 15% nos próximos anos, e a Ubrabio defende a adoção do B8 (8% de mistura) a partir de janeiro de 2017 e B9 a partir de julho de 2017, conforme autorizado pela Lei 13.263/2016.

A evolução do programa de testes para misturas superiores a 10% foi apresentada ao ministro, que buscará junto à Petrobras a realização de ações para agilizar o fornecimento de combustível pela BR Distribuidora e interação com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A Ubrabio ainda citou o fato de que o B20 e o B30 já foram autorizados e que, para promover a adesão das empresas, é preciso disseminar a informação. Para isso, a Ubrabio solicitou apoio do MME na divulgação das oportunidades e benefícios do uso voluntário.

Em relação ao bioquerosene, o diretor de Biocombustíveis de Aviação da Ubrabio, Pedro Scorza, representante da GOL Linhas Aéreas, enfatizou o objetivo de estruturar a cadeia de combustíveis renováveis de aviação. A biomassa para a produção de bioquerosene vem sendo estudada, respeitando as potencialidades regionais.

As demandas foram bem recebidas pelo ministro Fernando Coelho Filho, que demonstrou interesse nos projetos, afirmando que pretende acompanha-los de perto e dar o devido encaminhamento.

Representando a Ubrabio estiveram presentes os vice-presidentes, Pedro Granja e Julio Valente Junior; o diretor de Biocombustíveis de Aviação, Pedro Scorza; José Wagner dos Santos da Biopar MT e Mike Lu da Curcas Diesel; o diretor superintendente, Donizete Tokarski e o consultor técnico Donato Aranda.

Leia também

Biodiesel, o melhor combustível do Brasil

10 anos de pesquisa e inovação no setor brasileiro de biodiesel serão tema de congresso