Pesquisadores da Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás visitaram nesta terça-feira (05) as instalações da usina de biodiesel que vai usar óleo de fritura para produzir o combustível renovável.

Com capacidade para produção de 1.000 litros de biodiesel por dia, a usina experimental é resultado de parceria entre a Embrapa Agroenergia e a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) com recursos da Empresa Pública Brasileira de Fomento à ciência, tecnologia e inovação (Finep).

Segundo o diretor da Escola de Agronomia da UFG, Robson Geraldine, o grupo foi conhecer a experiência do DF e buscar subsídios para desenvolver projeto semelhante na universidade, que já conta com os recursos e equipamentos para instalação da usina.

Em fevereiro deste ano, o secretário de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Edward Madureira, também visitou a usina instalada na Caesb e incentivou que a experiência fosse replicada na UFG.

Para o professor Wilson Leandro, desenvolver o projeto em Goiás é importante tanto pela vocação agrícola do estado, quanto para o estímulo a pesquisas que permitam aproveitar matérias-primas regionais para a produção do biocombustível.

O diretor superintendente da Ubrabio (União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene), Donizete Tokarski, elogiou a iniciativa e lembrou que o estado de Goiás tem um enorme potencial para o fornecimento de matérias-primas para a produção de biodiesel, como a soja, hoje principal oleaginosa utilizada na fabricação do combustível renovável, e a macaúba – palmeira nativa que vem sendo estudada para produção de biocombustíveis e outros bioprodutos.

“A UFG tem papel fundamental na formação e capacitação de profissionais para atender toda cadeia produtiva desse combustível e a usina junto à UFG fomenta esse aprendizado”, comentou Tokarski, que também foi aluno da Escola de Agronomia da UFG.

MOVER

O descarte incorreto do óleo degrada o meio ambiente e gera impactos econômicos para o cidadão. De acordo com a Caesb, são gastos cerca de R$ 500 mil todos os anos para filtrar o óleo que é descartado no ralo.

O MOVER (Meu Óleo Vira Energia Renovável) é um projeto realizado pela Caesb, Embrapa Agroenergia e Ubrabio para promover e estimular a coleta do óleo de fritura usado no Distrito Federal e transformá-lo em biodiesel, um combustível limpo e renovável.

Além da produção ecológica a partir de resíduos, o uso do biodiesel misturado ao diesel fóssil reduz a emissão de gases de efeito estufa. Um ônibus circulando em Brasília com a mistura B20 evitaria a emissão de até 18 toneladas de CO2 por ano, o que equivale ao plantio de 132 árvores.

Leia também

Biodiesel, o melhor combustível do Brasil


print