O voo UA708 da United Airlines, que partiu na última sexta-feira (11) de Los Angeles a San Francisco (ambas cidades nos Estados Unidos), carregava em si um diferencial: no lugar do tradicional combustível, o Airbus 319 utilizou biocombustível à base de lixo orgânico.

Ele é fornecido à companhia pela empresa Alt Air Fuels, que usa gordura e óleo como matérias-primas, e também pela Fulcrum Bioenergy, cujo combustível é feito de lixo comum, o qual seria jogado em aterros sanitários.

A ideia é começar a alimentar os Airbus 319 com 70% de querosene de aviação e 30% de biocombustível, o que traria à aérea diversas vantagens, a começar pela economia, já que o combustível feito de lixo teria um custo menor.

Também há uma vantagem ambiental, a considerar que a queima do biocombustível gera menos gás carbônico e o processo reduz a pressão sobre os aterros já superlotados (os Estados Unidos produzem 250 milhões de toneladas de lixo por ano).

A United diz que pretende usar 360 milhões de litros de biocombustível por ano, alimentando todos os seus aviões que reabastecem em Los Angeles.

Confira o vídeo sobre esta inovação:

Leia também

Biocombustíveis de aviação são aposta para redução de CO2

Ubrabio discute parametrização da contribuição dos biocombustíveis nas metas brasileiras para COP 21

Brasil precisa superar barreiras para se tornar referência em bioquerosene


print