imprimir

Cada litro de óleo de fritura descartado incorretamente pode contaminar cerca de 20 mil litros de água potável. Esse mesmo litro de óleo, quando recebe destinação adequada, pode gerar aproximadamente 987 ml de biodiesel, combustível limpo e renovável utilizado para abastecer ônibus, caminhões e máquinas agrícolas, por exemplo.

Há cincos anos, o programa Novo Óleo iniciou suas atividades no município de Lucas do Rio Verde, no estado de Mato Grosso. A iniciativa da Fiagril já recolheu, entre 2009 e abril de 2015, 591.6 mil litros de óleo de cozinha usado na região da BR 163, nas localidades de filiais da Fiagril, empresa associada à Ubrabio (União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene), e nas cidades de Sinop, Nova Mutum e Sorriso.

“O Programa Novo Óleo dissemina práticas sustentáveis entre a população ao difundir a idéia de que a qualidade de vida e o futuro do planeta dependem de todos nós”, explica o gerente de Sustentabilidade da Fiagril, Gheorges Rotta.

Todo óleo coletado é levado para a Fábrica de Biodiesel da Fiagril em Lucas do Rio Verde para ser utilizado na produção de biocombustível.

“O funcionamento do Programa depende da ação do coletivo para diminuir e eliminar os impactos causados pelo óleo de cozinha usado descartado na natureza, e reutiliza o óleo vegetal e gorduras residuais”, conclui Rotta.

Hoje, o Brasil utiliza cerca de 30 milhões de litros de óleo de fritura para produzir biodiesel. Até 2012, esse óleo tinha uma representação inexpressiva, mas ela cresceu e, atualmente, representa 1% da produção. Mas o Brasil ainda precisa avançar na reciclagem desse resíduo. Nos EUA, por exemplo, maior produtor de biodiesel no mundo, o óleo de fritura responde por 12% da produção.

MOVER no DF

Em Brasília, o projeto M.O.V.E.R. – Meu Óleo Vira Energia Renovável é realizado pela Caesb (Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal), Embrapa Agroenergia e a Ubrabio para promover e estimular a coleta do óleo de fritura e transformá-lo em biodiesel.

“Enquanto o Brasil recicla 98% das latinhas de alumínio que utiliza, apenas 2% desse óleo residual é reaproveitado. Nesse cenário, a cadeia produtiva do biodiesel é uma aliada na reciclagem desse material – que entope encanamentos e polui o meio ambiente – em energia limpa e renovável”, explica Donizete Tokarski, diretor superintendente da Ubrabio.

Seminário B20 Metropolitano

Além da produção ecológica a partir de resíduos, o uso do biodiesel misturado ao diesel fóssil reduz a emissão de gases do efeito estufa (GEE). Para sensibilizar os prefeitos das maiores cidades brasileiras sobre os benefícios do uso da mistura de 20% de biodiesel no diesel fóssil que abastece a frota urbana de ônibus, a Ubrabio e a Embrapa Agroenergia realizam em Brasília, no próximo dia 21 de maio, o Seminário B20 Metropolitano – Mobilidade Sustentável para as Cidades Brasileiras.

Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, Ministério de Minas e Energia, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Ministério das Cidades, Casa Civil, Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e prefeitos de Porto Alegre e Cuiabá já confirmaram presença.

 

Leia também:
Biodiesel reduz em 70% a emissão de Gases do Efeito Estufa
Biodiesel pode melhorar a qualidade de vida da população nas grandes cidades