imprimir


A UFV marcou presença no workshop Alinhamento da Plataforma de Bioquerosene, realizado nos dias 28 e 29 de abril, na Cidade Administrativa Tancredo Neves, em Belo Horizonte. No evento, foi discutido o desenvolvimento sustentável na produção de bioquerosene para o setor da aviação, o que inclui o uso da macaúba.

Durante a abertura do workshop, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Altamir Rôso, falou sobre a importância da iniciativa para Minas Gerais. Segundo ele, o projeto de desenvolvimento da cadeia do bioquerosene é estratégico não só economicamente, mas também socialmente e ligado à sustentabilidade, que “irá mudar a realidade do uso do combustível na aviação do país”.

A reitora da UFV, Nilda de Fátima Ferreira Soares, parabenizou o estado por reunir os agentes ligados ao setor em uma “força tarefa integrada e empenhada para tornar Minas Gerais referência em pesquisas e desenvolvimento da cadeia da macaúba”. Ela também destacou que a UFV tem avançado na geração de energia sustentável, a partir das pesquisas com macaúba e “conduzindo os trabalhos de forma brilhante”, sob a coordenação do professor Sérgio Motoike, a quem agradeceu em nome de toda equipe da Universidade envolvida nas pesquisas com a planta.

Durante o evento, o professor Sérgio Motoike – que coordena a equipe de pesquisadores da macaúba no Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia da UFV – apresentou as vantagens de se investir na planta para a plataforma de bioquerosene. No entanto, ressaltou sua preocupação quanto à falta de investimentos em plantio. Ele lembrou que é preciso investir na agricultura, consolidar a cadeira produtiva para avançar na construção de fábricas. “Gostaria de convocar todos a olhar para a agricultura: plantar, colher e dar sustentabilidade à cadeia da macaúba”. O pesquisador disse ainda que o Brasil tem 30 milhões de pastagens degradadas e que a macaúba é extremamente eficiente nessa recuperação.

Estiveram presentes também na abertura do evento o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), João Cruz Reis Filho; o diretor presidente da Clamper, Ailton Ricaldoni Lobo; o consultor externo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Mike Lu; o prefeito de Dores do Indaiá, Ronaldo Antônio da Costa; o engenheiro de desenvolvimento de produtos da Embraer, Marcelo Gonçalves, e o coordenador de pesquisa para biocombustíveis de aviação da Boeing, Onofre Andrade.

Após a abertura, foram realizadas palestras com o comandante e diretor de Bioquerosene da Ubrabio/Gol, Pedro Scorza, e o representante da Embraer, Marcelo Gonçalves, além de organizados grupos de trabalho com foco nos temas pesquisa, desenvolvimento e inovação, aspectos ambientais e tecnologia da informação e comunicação.

Projeto

Desenvolvido em 2014, com o lançamento da Plataforma Mineira de Bioquerosene, o projeto reúne órgãos do governo estadual, universidades, centros de pesquisas, empresas e stakeholders nacionais e internacionais. A ideia é que Minas Gerais desenvolva uma cadeia integrada para a produção de bioquerosene de aviação e demais produtos renováveis. A macaúba é a principal matéria-prima analisada para a produção do biocombustível.

A estruturação da cadeia de valor do bioquerosene para a aviação irá colaborar para que Minas Gerais se consolide como o maior centro de pesquisa da macaúba no Brasil, bem como para que o país reduza a emissão de poluentes provenientes da aviação.

Para mais informações sobre as pesquisas desenvolvidas com a macaúba na UFV para a produção de bioquerosene, clique aqui.