Usina entra em fase experimental em abril com capacidade inicial de 250 litros de combustível por dia

A primeira usina do DF que utilizará o óleo residual — de fritura — para a produção de biodiesel encontra-se em etapa final de construção e terá capacidade de transformar até mil litros dessa matéria-prima em combustível por dia. Em fase experimental no mês de abril, a fábrica terá produção inicial estimada em 250 litros diários. A iniciativa partiu da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) em parceria com a Embrapa Agroenergia, com recursos da Agência Brasileira de Inovação (Finep).

Batizado de projeto Biguá, ele surgiu depois que a Caesb começou a sentir no orçamento os transtornos causados pelo descarte incorreto do óleo de cozinha. Como são resíduos, os responsáveis decidiram denominá-la biguá — pequeno corvo com penas pretas e brancas e que tem os pântanos como habitat.

Além dos impactos ambientais, o resíduo do óleo de fritura jogado nos ralos de pia e vasos sanitários representa 30% dos gastos do órgão com a manutenção da rede. Cada litro derramado de forma indevida encarece R$ 0,25 no tratamento de esgoto. Atualmente, são despejados quase 12 milhões de litros de óleo todos os anos na rede do DF.

O programa de caráter socioambiental da Caesb passou a oferecer endereços para descarte do óleo. No início, o material recolhido era encaminhado às cooperativas e às associações de moradoras do Varjão, que transformavam a gordura em detergente e sabão, mas a coleta extrapolou as expectativas fazendo nascer a ideia da usina.

O engenheiro ambiental da Caesb e responsável pelo projeto, Carlo Renan Cáceres de Brites, disse que o biodiesel produzido no DF abastecerá, em breve, a frota do próprio órgão e dos parceiros do Biguá: a Embrapa Agroenergia e a Finep.

Será ainda utilizado para o funcionamento dos geradores responsáveis pelo tratamento de esgoto da capital. O processo gera outro subproduto, a glicerina, muito utilizada na fabricação de sabão, segundo Cáceres de Brites: “Temos um projeto em andamento para encaminhar esse material.”

Atualmente, são coletados de 800 a mil litros de óleo por mês, mas a estimativa do engenheiro ambiental é que esse volume chegue a 150 mil litros. “Estamos realizando constantemente um trabalho de conscientização da população, pois o descarte do óleo de cozinha é uma ação que ainda gera dúvidas”, esclareceu Cáceres de Brites. “Jogar o produto na pia da cozinha ou no vaso sanitário causam um grande problema nas redes de esgoto.”

Descarte consciente

O processo para o armazenamento do óleo em casa é simples. Após utilizar o produto, a pessoa deve aguardar alguns minutos até o total resfriamento. Depois, basta depositá-lo em recipientes plásticos descartáveis — como os utilizados para armazenar amaciante de roupa, de água sanitária ou até mesmo garrafas PET. Esses vasilhames devem ser encaminhados aos 19 pontos de entrega voluntária.

Caso o volume seja acima de 10 litros, a Caesb coletará no local. Bares, condomínios, indústrias, restaurantes ou similares — onde a utilização do produto é significativamente maior — podem se cadastrar como parceiros do projeto por meio do telefone (61) 3214-7989 ou pelo e-mail projetobigua@caesb.df.gov.br.


print