imprimir

Na 11ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, projeto M.O.V.E.R. destacou a importância do aproveitamento do óleo residual para produzir biodiesel. O foco é o envolvimento da sociedade na produção de energia limpa e renovável. Mais de 1800 crianças já participaram da exposição interativa “Cientista por Um Dia” com o projeto.

Estimular atitudes sustentáveis a favor do planeta é uma das propostas do projeto M.O.V.E.R. – Meu Óleo Vira Energia Renovável, uma ação voltada à população do Distrito Federal para promover o descarte correto do óleo residual e transformá-lo em biodiesel. O projeto é desenvolvido pela Embrapa Agroenergia, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) e a Ubrabio (União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene) e fez parte da programação da 11ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, realizada entre os dias 13 e 19 de outubro, em todo o Brasil, sob o tema “Ciência e tecnologia para o desenvolvimento social”.

Em Brasília, milhares de pessoas circularam pelo evento, realizado no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade. Quem visitou o estande da Embrapa pode conversar com cientistas e representantes da Caesb e da Ubrabio para conhecer o processo de produção do biodiesel, um biocombustível limpo e renovável adicionado a todo diesel de petróleo consumido no país na proporção de 6% passando, em novembro próximo, para 7%.

Em uma exposição interativa, o público aprendeu como é produzido o biodiesel, conheceu suas principais matérias-primas e descobriu como um resíduo poluente pode tornar-se um combustível “verde”, que propicia ganhos ambientais pela redução proporcional das emissões de CO2 conforme se aumenta o percentual da mistura. O biodiesel pode ser feito a partir de óleos vegetais, gorduras animais, como o sebo bovino e também óleo de fritura usado (OFU), foco de atuação do projeto M.O.V.E.R.

Diretor executivo da Ubrabio, Sergio Beltrão explica que a proposta do projeto na SNCT 2014 foi semelhante ao que vem sendo feito com os estudantes que visitam a Embrapa pelo projeto “Embrapa & Escola”. “É muito bacana, não só as crianças, mas o público adulto também, terem acesso ao conhecimento e saberem da contribuição individual que podem dar com uma ação sustentável, que é a coleta do óleo de fritura usado”, comenta.

Sustentabilidade

Durante a exposição interativa, a demonstração de como se faz o biodiesel em escala laboratorial é complementada com uma visão geral do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB). “É uma oportunidade para as pessoas conhecerem o papel do Brasil no cenário mundial de uso de biocombustíveis e da contribuição especifica do biodiesel nas dimensões econômica, ambiental e social”, explica o diretor da Ubrabio.

Junção dos projetos Biguá – realizado pela Caesb desde 2008 para recolhimento do óleo de fritura –, e o Biofrito – coordenado pela Embrapa Agroenergia com recursos da Finep para utilizar óleo residual na produção de biodiesel –, o projeto M.O.V.E.R. foi criado para conscientizar a população sobre a importância do descarte correto do OFU e tem como principal objetivo a geração de biodiesel a partir de um resíduo poluente. O projeto propõe que todo o óleo recolhido pela Caesb seja transformado em biodiesel em uma usina piloto que está em processo de montagem.

Para as entidades, o diálogo sobre a substituição do combustível fóssil por combustíveis renováveis é uma questão adequada ao momento de transição para uma sociedade mais sustentável. “É gratificante perceber a satisfação e o envolvimento das crianças, principalmente, nesse contexto de uma ação sustentável que precisa passar pela mudança do paradigma de consumo e no aproveitamento dos resíduos gerados pela sociedade atual, numa fase de transição para uma economia de baixo carbono”, acrescenta Beltrão.

Interação

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia permitiu que crianças e adultos pudessem ter acesso a diversas ações do Brasil no desenvolvimento de tecnologias ecoeficientes, como a produção de biodiesel.

“A participação do M.O.V.E.R. na Semana ajuda a reforçar a estratégia do projeto, que é de aproximar a população do assunto, estimulando o consumo consciente, o reaproveitamento do óleo residual e o investimento em energia limpa”, explica a supervisora do Núcleo de Comunicação Organizacional da Embrapa Agroenergia, Daniela Collares.

De acordo com os responsáveis pelo projeto, a participação do M.O.V.E.R. na SNCT foi positiva, não só pela apresentação ao vivo de como se faz o biocombustível, mas pelo interesse demonstrado pelo público, que levantou questões em relação à matéria-prima e outras variáveis que incidem sobre o programa de biodiesel, além dos problemas que ocorrem com o descarte incorreto do óleo de fritura no ralo da pia, por exemplo.

“Esse contato foi muito importante, porque uma das nossas principais funções é desenvolver a interlocução com a sociedade e o diálogo com a academia, disseminando informações, especialmente para as crianças, que têm um papel fundamental na mudança de atitude dos próprios pais”, destacou Beltrão sobre a participação da Ubrabio no evento.

M.O.V.E.R. nas escolas

Em 2014, o M.O.V.E.R. faz parte da exposição interativa “Cientista por um dia”, da Embrapa Agroenergia. A ação acontece no âmbito do projeto “Embrapa & Escola”, uma proposta desenvolvida nas 47 unidades da Embrapa em todo o Brasil para mostrar aos estudantes a importância da pesquisa e, principalmente, formar cidadãos conscientes e futuros cientistas.

Daniela, que coordena o projeto na Embrapa Agroenergia e está entre os técnicos responsáveis por apresentar a proposta aos alunos, destacando a importância do uso de energias renováveis, o descarte correto e o reaproveitamento do óleo de fritura usado. Ela conta que o projeto começou em outubro de 2013, com a proposta de envolver a sociedade na ação sustentável. “Nós buscamos desenvolver a exposição de uma forma interativa para chamar atenção das crianças e também dos adultos. Com a participação em feiras, percebemos que quando o visitante interage com a exposição, o resultado é melhor. Então montamos junto com a equipe de laboratório o processo de produção do biodiesel desde a trituração da matéria-prima até separar o biocombustível da glicerina”, salienta.

Neste ano, cerca de 1800 estudantes de escolas públicas e privadas do DF já participaram da exposição interativa “Cientista por Um Dia” com o projeto M.O.V.E.R. As escolas também têm a possibilidade de visitar a Embrapa Agroenergia, onde podem conhecer os laboratórios e as instalações de um prédio de pesquisa, além do contato com cientistas, profissionais que atuam no mercado e instituições parceiras.

 

Serviço:

Para participar, entre em contato com o Núcleo de Comunicação Organizacional da Embrapa Agroenergia pelo e-mail agroenergia.eventos@embrapa.br, ou pelo telefone (61) 3448-1581.