A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE) projeta para a safra de soja 2013/2014 um volume recorde de 81,3 milhões de toneladas. O Brasil será o maior produtor mundial enquanto os Estados Unidos não se recuperarem dos efeitos do clima adverso. O recorde anterior tinha sido de 75 milhões de t na safra 2011/2012. A ABIOVE também revisou a projeção para a safra 2012/2013, de 66,2 milhões de toneladas para 66,6 milhões t. 

Os sojicultores brasileiros irão aproveitar a excepcional oportunidade de mercado proporcionada pelos elevados preços internacionais, decorrentes da quebra da safra norte-americana (14 milhões de toneladas), para expandir o próximo plantio da oleaginosa, de 24,9 milhões de hectares para 26,9 milhões de hectares e, desta forma, suprir a demanda mundial. Esse incremento de área se dará principalmente pela conversão de áreas de pasto degradado e daquelas ocupadas com milho, cuja produção está migrando para a chamada “safrinha”, que ocorre na entressafra da soja.

O Brasil deverá processar 38,5 milhões de toneladas de soja na safra 2013/2014, ante 35,3 milhões de t na safra 2012/2013, diminuindo a ociosidade do parque processador. As exportações de matéria-prima deverão crescer muito mais, passando de 30,5 milhões de toneladas para 37,5 milhões de toneladas. A exportação dos produtos (farelo e óleo) continuará sendo mais tributada do que a de soja em grão. Por isso, o Brasil perderá mais uma vez a oportunidade de agregar valor e gerar empregos aqui.  

A ABIOVE estima uma receita de exportação recorde de US$ 29,9 bilhões na safra 2013/2014, um aumento de US$ 6,5 bilhões em relação ao valor apurado na safra 2012/2013. O agronegócio soja estará entre os principais setores líderes da balança comercial brasileira.

Garantia de fornecimento de farelo de soja

Carlo Lovatelli, presidente da ABIOVE, destaca a prioridade ao atendimento do mercado interno. A indústria de óleos vegetais processará mais de 15 milhões de toneladas de soja no período de agosto/2012 a janeiro/2013, e garantirá o pleno abastecimento do mercado interno de farelo proteico destinado à produção de aves, suínos e ovos, não obstante a produção brasileira de soja, em 2012, ter declinado mais de 8 milhões de toneladas, em função da seca no Sul do país. Neste ano, haverá o fornecimento de 13,8 milhões de toneladas de farelo de soja para suprir a demanda interna.

“Recentemente, o setor reiterou ao governo brasileiro que a agilização da devolução dos créditos de PIS e Cofins e a inclusão do farelo de soja e do óleo de soja em bruto no Programa Reintegra contribuirão sensivelmente para melhorar a competitividade da indústria brasileira e aumentar a capacidade de retenção da matéria-prima para processamento local”, informa Lovatelli.

As estatísticas mensais da ABIOVE, compostas por tabelas de oferta e demanda, processamento, exportação, consumo interno, estoques e preços estão disponíveis no site www.abiove.org.br


print